quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Crescimento do ocultismo aumenta demanda por exorcistas na Igreja

Congresso de exorcistas na Itália denuncia epidemia de práticas ocultas e satânicas no mundo. “Esperamos a nomeação de um maior número de exorcistas na Igreja”, pede padre italiano.

Formação e debates para levantar barreiras às agressões do mal e saber reconhecer aquelas "portas e janelas" abertas à ação do demônio. São os objetivos do congresso nacional de exorcistas italianos que acaba de concluir-se em Roma. É o primeiro após o reconhecimento oficial, dado em junho de 2014, da Associação Internacional de Exorcistas, que conta com 400 sacerdotes inscritos de todo o mundo. Um ponto de partida importante para trabalhar com ânimo nesse campo, como sublinha o presidente da associação, o padre Francesco Bamonte, em reunião com cerca de 150 exorcistas da Itália.
"Enviamos uma carta com a cópia dos estatutos a todos os bispos italianos e aos bispos das nações onde operam as nossas secretarias linguísticas", explica o padre Bamonte. "Na carta, evidenciamos o agravar-se da atual emergência do ocultismo e do satanismo e, portanto, a necessidade do empenho pela formação de todos os sacerdotes e pela preparação deles ao discernimento prévio dos vários casos relativos a esse fenômeno. Também esperamos a nomeação de um maior número de exorcistas na Igreja e a promoção de uma formação permanente deles."
Durante os trabalhos, interviram, entre outros, o cardeal Agostino Vallini, vigário do Papa para a diocese de Roma, o arcebispo Filippo Iannone, vice-gerente de Roma, e Giovanni D'Ercole, bispo de Ascoli Piceno. Junta-se a eles também o encorajamento do Papa Francisco.
Em suma, a Igreja tem o dever de estar preparada para acolher os pedidos de ajuda de quem acredita ter – ou tem efetivamente – distúrbios ligados à ação do maligno. Também porque o acesso a práticas perigosas é cada vez mais fácil, principalmente entre os mais jovens.
É o que pensa o frei Benigno Palilla, franciscano exorcista da arquidiocese de Palermo, dando exemplos de como é fácil cair nas redes que abrem espaço para o maligno. O espiritismo, por exemplo.
"Difundiu-se nas escolas, com uma rapidez impressionante, o jogo 'Charlie, Charlie'. Trata-se de dois lápis sobrepostos em forma de cruz, que estão em equilíbrio. Embaixo, há uma folha de papel com a palavra 'sim' de um lado e 'não' do outro. Pergunta-se a Charlie se ele está presente. O lápis sozinho se move, virando para o 'sim'. Bem – observa frei Benigno –, se não há uma causa natural, como o vento, o lápis por si só não pode mover-se. Se se move, pode-se dizer que há uma entidade que a move. Ora, essa entidade não pode ser Deus, porque Ele não se presta a esse tipo de coisa. De onde só pode ser o demônio. É ele quem é invocado por meio desse jogo, que, para ser mais preciso, não se trata de um jogo, mas de uma sessão espírita, onde se invoca um espírito maligno."
É assim também com a chamada psicografia ou com aqueles que supostamente têm o poder mediúnico de estabelecer contato com defuntos. Normalmente, a razão pela qual se recorre aos espíritos ou a outras práticas ocultas é resolver qualquer problema familiar ou de saúde.
Atenção!, esclarece o frei Benigno, "o demônio nunca cura uma pessoa de uma doença, mas somente suspende os sintomas por um certo tempo. A doença, portanto, permanece. Acontece aqui o mesmo que se dá quando alguém se dirige a um mafioso para receber benefícios. Ele certamente os obtém, mas o preço a pagar se verá em seguida. De fato, esse recurso cria um vínculo, e esse vínculo é exigente, pois requer disponibilidade total a qualquer pedido. O mesmo acontece quando se recorre a um ocultista e, através dele, ao demônio."
Mas também há um aspecto psicológico gravíssimo para quem entrega a própria vida e as próprias decisões a um amuleto ou a um mago: "O ocultismo contribui para criar uma mentalidade do 'não fazer', do 'não agir', à espera de algum 'poder externo'."
Na luta contra o maligno, os exorcistas têm uma aliada extraordinária: Nossa Senhora. "No decorrer de nosso ministério de exorcistas – explica o padre Bamonte –, testemunhamos várias vezes que o Rosário, quando bem rezado, é particularmente temido pelo demônio. Certa vez, enquanto tentava arrebentar a coroa que eu tinha colocado no pescoço de uma pessoa atormentada, o demônio exclamou com raiva: 'Quem se agarra a essa corrente não se perderá jamais!'." 

 https://padrepauloricardo.org/blog/crescimento-do-ocultismo-aumenta-demanda-por-exorcistas-na-igreja?utm_source=Lista+de+E-mails+[Padre+Paulo+Ricardo]&utm_campaign=f51ae56ac5-programa-ao-vivo-28-09-2015&utm_medium=email&utm_term=0_a39ff6e1ce-f51ae56ac5-406356493&mc_cid=f51ae56ac5&mc_eid=69c87dbc29

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

5 características da verdadeira devoção a Maria



A devoção refere-se diretamente a Deus e só indiretamente aos Santos, pelo que eles têm de Deus. Nossa Senhora ocupa um lugar intermediário entre Deus e os Santos, o que dá origem a um culto próprio, portanto único, e especial: muito inferior ao de Deus, mas muito superior ao dos Santos.

O culto de hiperdulia é reservado a Nossa Senhora por sua singular dignidade de Mãe de Deus. É muito inferior ao de Deus porque difere especificamente ao culto de latria (devido só a Deus). Nós veneramos a Nossa Senhora mas não A adoramos; há portanto, um abismo infinito entre as duas espécies de culto. É muito superior ao culto de dulia (devido aos Santos) porque difere deste especificamente pelo motivo da dignidade da maternidade divina, esta dignidade coloca Nossa Senhora numa ordem à parte, que está mil vezes por cima, e é também especificamente distinto da ordem da graça e da glória em que se encontram todos os Santos.

A verdadeira devoção a Maria tem de ser interior, tenra, santa, constante e desinteressada:

Devoção interior: Isto é, nasce do espirito e do coração e provêm da estima que se tem da Santíssima Virgem, da alta ideia que se forma a respeito da grandeza dela e do amor que se lhe professa.

Devoção terna: Isto quer dizer que é cheia de confiança em Nossa Senhora, como um menino tem em sua carinhosa mãe. A devoção terna faz que a alma recorra a Maria em todas suas necessidades de corpo e de espírito, com muita simplicidade, confiança e ternura; que implore a ajuda de sua celestial Mãe em todos os tempos, em todos os lugares e em todas as coisas: em suas dúvidas, para que as mesmas possam ser esclarecidas; em seus desvios, para voltar ao bom caminho; em suas tentações, para que Maria a sustenha; em suas debilidades, para que a fortifique; em suas quedas, para que a levante; em seus desânimos, para que lhe infunda animo; em seus escrúpulos, para que a livre deles; em suas cruzes, trabalhos e contratempos da vida, para que a console. Por último, em todos seus males de corpo e de espírito, Nossa Senhora é seu ordinário (no sentido de habitual) recurso, sem receio de importunar a esta terna Mãe e desagradar a Jesus Cristo.

Devoção santa: É santa porque faz com que a alma evite o pecado e imite as virtudes da Santíssima Virgem; sobretudo de um modo mais particular sua humildade profunda, sua fé viva, sua obediência cega, sua oração contínua, sua mortificação total, sua pureza divina, sua caridade ardente, sua paciência heroica, sua doçura angelical e sua sabedoria divina, que são as dez principais virtudes da Santíssima Virgem.

Devoção constante: Quer dizer que consolida a alma no bem e faz com que não abandone facilmente suas práticas de devoção, lhe dá ânimo para que se oponha ao mundo em suas modas e em suas máximas; à carne, em seus tédios e embates de suas paixões, e ao demônio em suas tentações; de maneira que uma pessoa verdadeiramente devota da Virgem não é inconstante, melancólica, escrupulosa, nem tímida. Isto não quer dizer que não caia nem experimente alguma mudança no que tange à sensibilidade de sua devoção; senão que, se cai, volta-se a levantar esticando a mão à sua bondosa Mãe, e, se carece de gosto e de devoção sensível, não se desanima por isso; porque o justo e devoto fiel de Maria vive da fé de Jesus e de Maria e não dos sentimentos do corpo.

Devoção desinteressada: Finalmente, é desinteressada porque inspira à alma que não se procure a si própria, senão somente a Deus em sua Santíssima Mãe. O verdadeiro devoto de Maria não serve a esta augusta Rainha por espírito de lucro ou de interesse, nem por seu bem, ainda que temporal ou eterno, de corpo ou de alma, senão unicamente porque Ela merece ser servida, e Deus n’Ela. Se ama a Maria, não é pelos favores que esta lhe concede ou pelos que d’Ela espera receber, senão unicamente porque Ela é amável (merece ser amada). Eis aqui o porque a ama e a serve com a mesma fidelidade em seus contratempos e aridezes que em suas doçuras e fervores sensíveis; e igual amor lhe professa no Calvário e nas bodas de Caná.

Ah, quão agradável e precioso aos olhos de Deus e de sua Santíssima Mãe é o devoto de Maria que não se procura a si mesmo em nenhum dos serviços que lhe presta! Mas, quão raro é hoje em dia encontrar um devoto assim!

Por Padre Hernán Luis Cosp Bareiro, EP

Por Gaudium Press

- See more at: http://santuariodefatima.org.br/5-caracteristicas-da-verdadeira-devocao-a-maria.html#sthash.Yf0NnEiV.dpuf

12 ensinamentos do Papa Francisco sobre Nossa Senhora



Nosso caminho de fé está unido de maneira indissolúvel a Maria, desde o momento em que Jesus, morrendo na cruz, entregou-a a nós como Mãe.

O Papa Francisco, em cada uma de suas homilias sobre Nossa Senhora, nos garante que Maria vela por todos e cada um de nós, como mãe e com uma grande ternura, misericórdia e amor, e sempre nos incentiva a sentir seu olhar amável.

Apresentamos, a seguir, alguns dos ensinamentos do Papa Francisco sobre Maria:

1. Um cristão sem Maria está órfão. Também um cristão sem a Igreja é um órfão. Um cristão precisa destas duas mulheres, duas mulheres mães, duas mulheres virgens: a Igreja e a Mãe de Deus.

2. Maria faz precisamente isso conosco: nos ajuda a crescer humanamente e na fé, a ser fortes e a não ceder à tentação de ser homens e cristãos de uma maneira superficial, mas a viver com responsabilidade, a tender cada vez mais ao alto.

3. Ela é uma mãe que ajuda os filhos a crescerem, e quer que cresçam bem. Por isso, educa-os a não ceder à preguiça (que também deriva de certo bem-estar), a não conformar-se com uma vida cômoda que se contenta somente com ter algumas coisas.

4. Maria nos dá saúde. Ela é a nossa saúde.

5. É a mãe que cuida dos seus filhos para que cresçam mais e mais, cresçam fortes, capazes de assumir responsabilidades, de assumir compromissos na vida, de tender a grandes ideais.

6. Maria é mãe, e uma mãe se preocupa sobretudo com a saúde dos seus filhos. A Virgem protege a nossa saúde. O que isso quer dizer? Penso sobretudo em três aspectos: Ela nos ajuda a crescer, a enfrentar a vida, a ser livres.

7. A Virgem Maria educa seus filhos no realismo e na fortaleza diante dos obstáculos, que são inerentes à própria vida, e que Ela mesma padeceu ao participar dos sofrimentos do seu Filho.

8. Ela é uma mãe que nem sempre leva seus filhos pelo caminho mais “seguro”, porque dessa maneira eles não podem crescer. Mas tampouco somente pelo caminho arriscado, porque é perigoso. Uma mãe sabe equilibrar estas coisas. Uma vida sem desafios não existe, e uma pessoa que não sabe enfrentá-los arriscando-se não tem coluna vertebral!

9. Maria luta conosco, sustenta os cristãos no combate contra as forças do mal.

10. Maria é a mãe que, com paciência e ternura, nos leva a Deus, para que Ele desate os nós da nossa alma.

11. Maria é a mamãe boa, e uma mamãe boa não somente acompanha os filhos no crescimento sem evitar os problemas, os desafios da vida; uma mamãe boa ajuda também a tomar decisões definitivas com liberdade.

12. Toda a existência de Maria é um hino à vida, um hino de amor à vida: Ela gerou Jesus na carne e acompanhou o nascimento da Igreja no Calvário e no Cenáculo.

Oração

Maria,
faze-nos sentir teu olhar de Mãe,
guia-nos até o teu Filho,
faze que não sejamos cristãos de vitrine,
mas cristãos que sabem construir,
com teu filho Jesus,
o seu reino de amor,
de alegria e de paz.
Amém.

Por Pildorasdefe.net via Aleteia

- See more at: http://santuariodefatima.org.br/12-ensinamentos-do-papa-francisco-sobre-nossa-senhora.html#sthash.Zf65Ct7b.dpuf

sábado, 12 de setembro de 2015

A árvore e seus frutos


Jesus procurava evitar que, entre seus discípulos, houvesse lugar para a inautenticidade. Afinal, eles tinham recebido a tarefa de levar adiante a missão do Mestre, e estariam sempre em evidência. Sua condição de mestres poderia levá-los a se despreocuparem em praticar o que ensinavam. Como os fariseus, corriam o risco de se tornarem hipócritas e ensinarem normas severas para os outros, e suaves para si.
Jesus alertou os seus discípulos para estarem atentos quanto ao modo de vida dos líderes da comunidade. Belas palavras seriam inúteis, sem o respaldo de um vida condizente com os ensinamentos. Quando o modo de proceder do líder é censurável, é mais prudente não dar ouvido às suas palavras. Sua vida testemunha a incapacidade de penetrar no sentido das exigências do Reino. Sem esta compreensão prévia, é ousado pretender arvorar-se em guia da comunidade. Os frutos mostram tratar-se de uma árvore má.
É no coração que o ser humano esconde seu verdadeiro tesouro, e não na boca. Quem tem o coração repleto de coisas boas, diz e faz coisas dignas de serem imitadas. Quem tem o coração repleto de maldade, por mais que ensine coisas bonitas, será incapaz de realizá-las. Por conseguinte, é melhor não lhe dar crédito.
O testemunho de vida é a prova inequívoca do que se passa no coração. Em outras palavras, revela o que a pessoa é.

http://domtotal.com/religiao/eucaristia/liturgia_diaria.php
 

Só os melhores


Muitos são os chamados à seara santa, mas só os melhores respondem ao apelo.
Muitos penetram o pórtico do templo, mas só os melhores atingem o céu com
suas preces. Muitos erguem sua voz em clamor suplicante, mas só os melhores
emitem a nota vibratória que atravessa os espaços infinitos. 
Muitos proferem palavras de fé e encorajamento, de consolo e ajuda; mas só
os melhores comovem o coração dos sofredores.
Muitos iniciam a caminhada pedregosa da ascensão; mas só os melhores
alcançam o fim porque possuem fôlego para a subida íngreme.

C.Torres Pastorino

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

25 SEGREDINHOS DE JESUS

Jesus ditou à jovem Faustina Kowalska um manual com 25 segredos de como defender-se nas lutas espirituais. Estas instruções se tornaram a arma de Santa Faustina contra as tentações de maligno. Um tesouro que partilho com todos.
1. "Nunca confies em ti, mas entrega-te inteiramente à Minha Vontade." A confiança é uma arma espiritual; é a armadura do cristão. O abandono à Vontade de Deus.

2. "Na desolação, nas trevas e dúvidas, recorre a Mim!..." Nos momentos de guerra, reze imediatamente a Jesus. Invoque seu Santo Nome, que é muito temido pelo inimigo.

3. "Não comeces a discutir com NENHUMA tentação; encerra-te logo no Meu Coração!!..." Eva negociou com o diabo e perdeu!! Correr até Jesus é a melhor forma de dar as costas ao demônio.

4. "Na primeira oportunidade, contar ao confessor." Uma boa confissão é a receita perfeita para a vitória sobre a tentação e a opressão demoníaca. Isso não falha!

5. "Coloca o amor-próprio em último lugar, para não contagiar tuas ações." O amor próprio é natural, mas precisa estar livre de orgulho. A humildade vence o diabo, que é o orgulho perfeito!!

6. "Com grande paciência, suporta-te a ti mesma!!..." A paciência consigo mesmo é parte da humildade e da confiança. O diabo nos tenta à impaciência, a voltar-nos contra nós mesmos, e ficarmos com raiva. Olhe para você com os olhos de Deus. Ele é infinitamente paciente.

7. "Não descuides das mortificações interiores." Podem ser pequenos sacrifícios (jejuns) oferecidos com grande amor. O poder do sacrifício por amor, desaloja o inimigo.

8. "Obediência humilde às autoridades autênticas!" Faustina, morava num convento. Mas todos nós temos pessoas com autoridade sobre nós. O diabo só quer dividir e conquistar poder.

9. "Foge dos que murmuram, como se foge da peste!!..." A língua pode causar muito dano. Estar murmurando ou fazendo fofoca não é de Deus. O diabo mentiroso, só gera acusações falsas e fofocas. Rejeite as murmurações!!

10. "Deixa que os outros procedam como lhes aprouver; age conforte estou a exigir-te!" A mente é a chave-mestra. O diabo intrometido, tenta confundir a todos. Agrade Deus, e deixe de lado as opiniões dos outros...

11. "Observa a 'Regra' o mais fielmente possível." Todos nós já fizemos algum tipo de voto diante de Deus e da Igreja: promessas batismais, votos matrimoniais, etc. Satanás nos tenta levar à infidelidade, à anarquia e à desobediência.

12. "Se passas dissabores, pensa no que poderias fazer de bom pela pessoa que te faz sofrer." O diabo trabalha usando o ódio, a raiva, a vingança, a falta de perdão. Muitos nos ofendem, mas responder com uma bênção, destrói maldições.

13. "Evita falar demais!" A alma faladeira é mais facilmente atacada pelo demônio. Abra o coração somente diante do Senhor. Os sentimentos são efêmeros. O recolhimento interior é uma armadura espiritual.

14. "Cala-te quando te repreenderem!" Não temos controle sobre isso; mas podemos controlar nossa resposta. A necessidade de ter a razão o tempo todo, nos leva a armadilhas demoníacas!! Deus sabe a Verdade. Deixe-a ir. O silêncio é uma proteção!!

15. "Não peças a opinião a todos; sê franca e simples como criança diante de Deus!" A honestidade é uma arma para derrotar Satanás, o mentiroso. Quando mentimos, colocamos um pé no terreno dele, e ele tentará nos seduzir mais ainda!

16. "Não te desencorajes com a ingratidão!.." Ninguém gosta de ser subestimado. Mas resista a todo desânimo, porque isso nunca vem de Deus. É uma das tentações mais eficazes do diabo. Seja grato pelas coisas boas do dia, e você sairá ganhando.

17. "Não indagues com curiosidade os caminhos que te conduzo!"
(!!) A necessidade de conhecer o futuro são tentações que levaram muitos ao ocultismo!! Decida confiar em Deus, que te leva ao caminho do Céu. Resista ao espírito de curiosidade! (!!)

18. "Quando o desânimo e o tedio baterem à tua porta, foge de ti mesma e esconde-te no Meu Coração!!..." O diabo tenta mais facilmente as almas ociosas. Tenha cuidado!! Porque as almas ociosas são presa fácil do demônio.

19. Não tenhas medo da luta!" O medo é a segunda tática do diabo (além do orgulho) A coragem intimida o diabo; ele fugirá diante da perseverante coragem depositada em Jesus, a Rocha!

20. "Combate com a convicção de que Estou contigo!.." Lutemos com convicção contra todas as táticas demoníacas. O diabo quer nos aterrorizar, mas enfrentemos seu terrorismo invocando o Espírito Santo ao longo do dia.

21. Não te guies por sentimentos, que nem sempre estão em teu poder; todo o mérito reside na vontade." Somos completamente livres em Cristo. Portanto temos de fazer escolhas para bem ou para mal. De que lado vivemos?

22. "Sê submissa aos superiores." Temos Cristo como superior representado pelos padres, bispos e o Papa. A dependência de Deus é vital pois não ganharemos por nossos próprios meios.

23. "Não te iludas com refrigérios e consolos; mas prepara-te para grandes batalhas." A Bíblia nos instrui a estarmos preparados para grandes batalhas e revestir-nos da armadura de Deus.

24. "Estais atualmente em cena, e toda a Terra e o Céu inteiro vos observam." Que tonalidade irradiamos: Luz? Escuridão? Cinza?... Se o diabo não conseguir nos levar para a escuridão, tentará nos manter entre os medíocres do cinza, que não é agradável a Deus.

25. "Luta como valorosos cavaleiros, para que eu possa recompensar-te; e não temas, porque não estás sozinha!!..."
Estas palavras de Jesus a Santa Faustina podem ser nosso lema: “Lute como um cavaleiro!!”. Um soldado de Cristo sabe a nobreza de sua missão, conhece o Rei ao qual serve; e luta até o final, com a abençoada certeza da Vitória!! Amém
 
 https://www.facebook.com/795723417161738/photos/pb.795723417161738.-2207520000.1441899534./911265835607495/?type=3&theater

terça-feira, 8 de setembro de 2015

LADAINHA DE SÃO MIGUEL ARCANJO

Á São Miguel Arcanjo

“Glorioso São Miguel Arcanjo… chefe e príncipe dos exércitos celestiais… amado da casa de Deus… dignai-vos e livrai-nos de todos os males… nos todos que recorremos a voz com confiança… fazei que pela incomparável proteção… que a cada dia sejamos mais fieis a servir a Deus… Levanta-se Deus intercedendo a bem aventurada sempre Virgem Maria São Miguel Arcanjo… e todas as milícias celestes… sejam dispersos os seus inimigos e fujam da sua face… todos os que vos odeiam… em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo. Amém, Amém e Amém!!!”


segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Santidade na infância: 3 testemunhos impressionantes

Dolorosas doenças mortais oferecidas por assassinos e pelos missionários, fidelidade a Jesus até o final
Mari Carmen González Valerio, María del Pilar Cimadevilla y López Dóriga and Alexia González-Barros - pt
A única criança canonizada da Igreja é São Domingos Sávio. Foi Pio XII quem o elevou aos altares, estabelecendo um marco na hagiografia; mas foram necessários mais 30 anos para que João Paulo II abrisse novamente as portas da santidade às crianças.
 
Com a beatificação de Laura Vicuña e os pastorzinhos de Fátima, resolviam-se os principais obstáculos que as crianças encontram em seu caminho de santidade: a possível falta de maturidade e a curta idade, que impede a demonstração, no tempo, das virtudes heroicas.
 
As vidas de três meninas de Madri (Espanha), já proclamadas “veneráveis”, seguem os passos dessas crianças já reconhecidas como beatas e santas.
 
Como você é bom, Jesus!
 
Um tumor no ouvido desencadeia o calvário de Mari Carmen González Valerio. Em 6 de abril de 1939, quando a menina tinha apenas 9 anos, ela anotou, com faltas ortográficas próprias da sua idade: “Eu me entreguei na paróquia do Bom Pastor”.
 
Este acontecimento é levado a sério no céu, afirma Javier Paredes, autor do livro “Al cielo con calcetines cortos” (San Román, 2014), porque, 15 dias depois, veio a doença.
 
Os familiares descendentes de Mari Carmen afirmam que ela nunca disse por quem se entregou, mas, manifestada a doença, todas as suas dores eram oferecidas pela conversão dos assassinos do seu pai (fuzilado no início da Guerra Civil).
 
O tumor deformou seu rosto, fizeram-lhe uma trepanação na orelha e a ferida, pela septicemia, não cicatrizava.
 
A isso é preciso acrescentar as inúmeras injeções que ela recebia cada dia (até 20), o que lhe gerava flebite (inflamação das veias) e dores insuportáveis, inclusive ao encostar no lençol.
 
Mas Mari Carmen não deixava de exclamar: “Como você é bom, Jesus, como você é bom!”. E cada vez que sua mãe a convidava a rezar para que Jesus a curasse, ela respondia: “Não, mamãe, eu peço para que se faça a vontade dele”.
 
Mas essa menina não mostrou indícios de santidade só durante a doença; desde muito pequena, destacava-se nela a pureza, a caridade e o amor à verdade, virtudes que sempre defendeu com firmeza.
 
Pilina, a “brava”
 
María del Pilar Cimadevilla y López Dóriga nasceu em fevereiro de 1952, em Madri. Tinha olhos grandes e temperamento forte, razão pela qual seus irmãos a apelidaram de “a brava”.
 
Magali, sua irmã, recorda que Pilina era uma menina normal, de uma família normal, em quem a graça de Deus se manifestou de maneira especial – em seu caso, por meio do linfoma de Hodgkin.
 
“Minha irmã literalmente quebrou a cabeça!”, exclama Magali. É que a doença debilita tanto os ossos, que a morte chega após a ruptura das vértebras cervicais.
 
Mas, em todo momento, Pilina, com 9 anos, mostrou muita alegria, porque se encontraria com Jesus. Esse amor extraordinário foi transmitido pela sua mãe, que fez o mesmo com seus irmãos, mas nela era diferente.
 
Magali recorda que, enquanto sua irmã adorava Jesus sacramentado de joelhos, ela se dedicava a apagar as velas da igreja.
 
É que Pilina teria uma grande missão; foi a irmã Gabriela (uma das enfermeiras que a atendeu) quem a ajudou a entender sua doença: “Você vai sentir um pouquinho de dor, mas você oferece a picada e eu ofereço o trabalho, e assim ajudamos as missões”. E a freira lhe propôs ser a doente missionária.
 
Desde aquele dia, ela oferecia suas dores pelos missionários e pela conversão dos infiéis, até que, nove meses depois, pediu que abrissem a janela, porque o Menino Jesus viria para buscá-la.
 
Jesus, que sempre seja feito o que você quiser
 
“Aléxia adorava viver!” exclamou seu irmão Alfredo no documentário “Aléxia” (European Dreams Factory, 2011).

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Com a graça de Deus tudo se faz novo


Pode ser que estejamos cansados, decepcionados, pode ser que muitas coisas não deram certo em nossa vida. Não tem problema, em Deus tudo pode se fazer novo!
Ninguém põe vinho novo em odres velhos; porque, senão, o vinho novo arrebenta os odres velhos e se derrama; e os odres se perdem” (Lucas 5, 37).
Nós não podemos deixar a graça de Deus se perder, deixar o nosso coração se perder. Não podemos deixar a nossa vida perder o sabor e a qualidade.
Deixe-me dizer a você: a graça de Deus é sempre nova, o amor d’Ele é sempre novo. Na verdade, a nossa disposição, o nosso acolhimento e nossas inclinações interiores vão envelhecendo, tomando uma rigidez e parece que nunca mudamos. Podemos até nos cansar de Deus, do Evangelho; alguns chegam à Missa e dizem: ‘Mas este Evangelho já escutei! Já sei o que o padre vai falar! Já sei que a reunião vai ser desta forma!’.
Permita-me dizer a você: as coisas só se renovam quando há uma renovação dentro de nós. O padre, o Evangelho, podem ser os mesmos, mas graça de Deus é sempre nova quando temos um novo coração, uma nova disposição, um novo ânimo, um novo olhar e nos abrimos para acolher novos horizontes. Por isso, não podemos ficar naquele pessimismo, naquele velho ‘azedume’ que vê as coisas do mesmo jeito, de alguém que já se cansou e diz: ‘É assim mesmo! Nada muda!’.
Não é verdade! Quando permitimos, Deus muda todas as coisas. O mundo está aí cada vez pior, mas o mundo que está dentro de nós vai ser novo quando nos abrirmos para a vontade de Deus a cada dia.
Por isso, permita-me dizer ao seu coração: nada de desânimo, nada de fracasso, nada de desistir, nada de dizer ‘Não tem mais jeito!’, porque para Deus, quando nós permitimos, tudo tem jeito, se renova e se faz de novo!
Olhando para uma velha afirmação da própria ciência que diz que “na natureza nada se perde, tudo se transforma”, em Deus, isso é muito mais sublime. Com a graça de Deus nada se perde, tudo se faz novo. Pode ser que estejamos cansados, que nossa saúde esteja debilitada, que tenhamos limites físicos, mas já vi tantas pessoas com debilidades, com deficiências e fazerem o mundo girar, fazerem novas tantas coisas.
É preciso ter um novo coração, é necessário uma nova disposição. Precisamos ter, a cada dia, a coragem de querer mudar. Não vamos nos conformar, achar que as coisas tem que ser assim, pronto e acabou. Sabemos que Deus faz nova todas as coisas. Pode ser que estejamos cansados, decepcionados, pode ser que muitas coisas não deram certo em nossa vida. Não tem problema, em Deus tudo pode se fazer novo!
Que tenhamos um novo coração, uma nova disposição, que o nosso coração seja um odre novo, porque a graça que vem de Deus é nova e faz nova todas as coisas!
Deus abençoe você!
http://homilia.cancaonova.com/

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

A imagem de Nossa Senhora de Lourdes intocada por incêndio numa base militar

Imagem de Nossa Senhora de Lourdes, inexplicavelmente intacta após incêndio na base militar de El Goloso, Madri.

Na base militar de El Goloso nas proximidades da capital espanhola, Madri, sede da brigada de Infantaria Blindada “Guadarrama”, se desatou um incêndio incontrolável que consumiu importante área verde, noticiaram diversos sites espanhóis comoInfovaticana e Religión en Libertad.  

A vegetação ficou calcinada. Mas, para surpresa dos militares na superfície carbonizada se encontrou intacta uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes. 

A surpresa foi tanto maior quando os fardados descobriram que o gramado perto da imagem não foi atingido pelo fogo e que em volta da imagem havia uns vasos com flores, também incólumes, que ninguém sabia quem tinha posto.

O fato aconteceu no dia 30 de julho, em plena onda de calor que afligia Espanha.

Os militares não conseguiam explicar como foi possível que a imagem e as flores nada sofressem, nem mesmo um natural escurecimento e murchamento pelo calor.

O caso se espalhou pelas redes sociais e não faltou quem supusesse uma montagem. Porem, a investigação visando o esclarecimento revelou a improcedência da suspeita. 

Nas fotos pode se apreciar que toda a terra está queimada com exceção das proximidades da imagem.

A bem dizer, a maioria dos soldados sequer sabia que havia uma estatueta da Virgem de Lourdes no jardim, malgrado eles fizessem rotineiras giros de vigilância. 

Alguns soldados, porém, lhe tinham uma devoção especial, e se tinham encomendado a ela. Aquela imagem de Nossa Senhora de Lourdes até tinha participado em atos oficiais na base militar.

A dimensão restrita do caso dispensa uma investigação científica de alto bordo.  O inquérito das autoridades locais, na ocorrência militares, parece suficiente para esclarecer os aspectos naturais do fato.

Porém, o problema de fundo, em magnitudes menores, é bem o mesmo tratado em grandes assuntos referidos neste blog.

Uma outra foto da mesma imagem.
Uma outra foto da mesma imagem.
Quer dizer, há realidades que o conhecimento humano não consegue decifrar. Mas a fé explica. E a ciência humana e a fé cooperando sem se confundir contribuem para a interpretação certa.

Do ponto de vista moral, o fato foi revelador de uma proteção especial de Nossa Senhora por aquela imagem, aliás, simples e despretensiosa. Foi também um sorriso para os minoritários devotos que tinha no quartel.

E trouxe uma lição para todos. 

Podem vir a acontecer fatos inesperados que toquem fogo a um mundo que já está muito carregado de males e ameaças.

Nessas possíveis eventualidades próximas futuras, em meio a desastres que não conseguimos sequer imaginar, Nossa Senhora – especialmente sob a invocação de Lourdes – atravessará intrépida e incólume junto com os símbolos da devoção de seus fiéis.

E esses fiéis, ainda que tenham sido uma minoria desconsiderada pela maioria incrédula ou ateia, acabarão levando a melhor e serão reconhecidos ante todos como os amados do Céu em meio à tragédia.

A fé no caminhar da vida

"Em família, a fé acompanha todas as idades da vida, a começar pela infância: as crianças aprendem a confiar no amor de seus pais. Por isso, é importante que os pais cultivem práticas de fé comuns na família, que acompanhem o amadurecimento da fé dos filhos. Sobretudo os jovens, que atravessam uma idade da vida tão complexa, rica e importante para a fé, devem sentir a proximidade e a atenção da família e da comunidade eclesial no seu caminho de crescimento da fé". 

(Papa Francisco)

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Católicos, voltai ao confessionário!

O arcebispo anglicano da Cantuária, Justin Welby, reconhece a grandeza do Sacramento da Confissão

confissao

O primaz da Igreja Anglicana, Justin Welby, afirmou recentemente que recorrer à confissão auricular pode ser uma experiência “bastante eficaz”, mesmo que não signifique, na maioria das vezes, um “monte de risos”. A declaração foi feita aos seus fiéis, enquanto se dirigia aos líderes de outras comunidades – incluindo o arcebispo católico de Westminster, Vincent Nichols –, falando sobre as divisões entre os cristãos.

Embora conservem uma boa quantidade de elementos religiosos da Igreja Católica, os anglicanos não têm a Confissão como um sacramento. Para eles, trata-se apenas de uma prática devocional ou espiritual, bastante em desuso. Mesmo assim, o arcebispo Welby, vindo de uma corrente evangélica do anglicanismo, possui um padre católico como diretor espiritual, além de ser um forte defensor das formas de adoração pregadas pelo catolicismo.
Falando da pertença a uma ampla “tradição católica”, Welby comentou: “Eu tenho aprendido ao longo dos últimos 10 anos sobre o grande sacramento da reconciliação: a confissão. (…) Ele é bastante eficaz e terrivelmente doloroso quando feito corretamente… Eu duvido que você acorde de manhã e pense que isto venha a ser um monte de risos. (…) É realmente incômodo.Mas, por meio dele, Deus oferece o perdão, a absolvição e um senso de purificação”.

O prelado anglicano não é o primeiro e nem será o último não católico a reconhecer a grandeza do sacramento da Penitência. Ainda no século XIX, o famoso escritor brasileiro Machado de Assis, que muitos estudiosos consideram como ateu, não escondia sua admiração por este tesouro católico. Em algumas de suas memórias, ele confidenciava: “A Igreja estabeleceu no confessionário um cartório seguro, e na confissão o mais autêntico dos instrumentos para o ajuste de contas morais entre o homem e Deus”. E ainda: “A Igreja recomenda a confissão, ao menos, uma vez cada ano. Esta prática, além das suas virtudes espirituais, é útil ao homem, porque o obriga a um exame de consciência”01.

É notável ver personalidades estranhas à fé católica reconhecendo a utilidade da Penitência. Mas, e os católicos? Qual é o valor que têm dado a esta dádiva?
Urge que se desmascare, antes de qualquer coisa, uma mentira repetida com frequência. O sacramento da Confissão não foi, como querem alguns detratores da Igreja, uma “estratégia” dos padres para manter os seculares subordinados aos interesses eclesiásticos. Trata-se, na verdade, de um desejo do próprio Jesus. Após a Ressurreição, ele apareceu aos Doze e disse: “Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos” (Jo 20, 22-23).

Muitos católicos deixam de recorrer à Confissão porque já introjetaram uma mentalidade protestante individualista e orgulhosa. Dizem: “Se Deus já conhece todos os nossos pecados, por que se confessar?” Ora, Deus, em sua onipotência, poderia muito bem ter feito de outra forma. Poderia ter dito à multidão que se confessasse a si mesma, ou que apenas invocasse o Seu nome e seus pecados seriam perdoados. No entanto, não foi desta forma que Ele quis que os homens buscassem a reconciliação Consigo. Ele deu aos apóstolos as chaves do Reino dos céus (cf. Mt 18, 18) e este encargo sagrado. Cabe a nós acolher com humildade as disposições divinas, ao invés de submeter as palavras sagradas ao nosso arbítrio.

É verdade, nem sempre é agradável ter que acusar os pecados a um sacerdote, os católicos não dirigem-se ao confessionário com um “monte de risos”. No entanto, diz a Escritura, “há uma vergonha que conduz ao pecado e uma vergonha que atrai glória e graça” (Eclo 4, 25). Ainda que muitas vezes pareça penoso, é preciso que o cristão vença a sua vergonha e se confesse, pois de outro modo não pode alcançar o perdão dos pecados e a tranquilidade da alma.
Conta-se que um discípulo de Sócrates tinha entrado na casa de uma mulher de má vida. Prestes a sair, mas avistando o mestre, que ali passava, ele tornou a entrar na casa, a fim de não ser notado. Sócrates, porém, tinha-o visto e, aproximando-se da casa, disse: Meu filho, é uma vergonha entrar nesta casa, não, porém, sair dela.
Santo Afonso de Ligório repete a advertência de Sócrates e alerta: “Meu filho, é uma vergonha cometer o pecado; não, porém, libertar-se dele pela confissão”.

"Bendita entre os povos": o primeiro texto mariano "português"

A coleção Philokalia apresenta no volume nº 15 a edição bilingue de todos os escritos de Potâmio, primeiro bispo conhecido de Lisboa que desenvolveu a sua ação pastoral e teológica em meados do século IV.

O sinal da Cruz e a Eucaristia
«De facto, uma vez que as mãos, juntamente com os braços, que são os seus pais, formam a imagem da cruz, com razão mereceram tão grandes reconhecimentos da sua dignidade, a ponto de também fazerem o sinal da cruz na fronte, tocarem o corpo de Cristo e, levando à boca que bendirá o Senhor o sacramento da Eucaristia como alimento quotidiano, reconhecem as sendas das boas obras com as suas idas e vindas.» (Epistola sobre a Substância)

As lágrimas de Cristo, homem e Deus
«Chorava Deus comovido por causa das lágrimas dos mortais e, tendo chamado Lázaro do laço da morte, confiado em seu poder, prestava o obséquio da piedade com a consolação das lágrimas. 
Chorava Deus, não porque estivesse convencido de que diante de si o morto estava perdido, mas porque com isso mitigava o pranto das irmãs. 
Chorava Deus para, como Deus, mostrar com as suas lágrimas e a sua piedade o que os homens deviam fazer uns pelos outros.
Chorava Deus, porque os mortais tinham prevaricado até ao ponto de amarem os infernos, depois de se afastarem das coisas eternas. Deus chorava, porque o diabo fez com que fossem mortais os que podiam ser imortais. 
Chorava Deus, porque aqueles a quem Ele tudo concedera e submetera ao seu poder, e a quem até colocara à frente do paraíso com as suas flores e lírios, sem dificuldade nenhuma, o diabo, ao ensinarlhes o pecado, os espoliou de quase tudo. 
Chorava Deus, porque aqueles a quem Ele criara inocentes, o diabo, pela sua malícia, fez com que se achassem culpados.» (Sobre Lázaro)


Por toda a parte, os pés do Senhor
«Por toda a parte, os pés do Salvador, por onde quer que se movam, encontram os beijos. Se se pede um copo de água fresca, não se recusa o pão; quando se vai para casa, relatam-se os milagres de Cristo.» (Sobre Lázaro)

Bendita entre os povos (o primeiro texto mariano “português")
«Só a Virgem Mãe de Deus, a única pomba que para nós é mais fértil na sua fecundidade, deve levantar a sua cabeça coroada com seus louros até às nuvens do céu. Que ela seja bendita entre os povos, consagrada mui merecidamente pela unidade da Trindade, de cujo louvor ela está cheia desde agora e para sempre nos eternos séculos dos séculos.» (Epístola a Atanásio)

Isidro Lamelas
Especialista em Patrística, professor da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesar
In Potâmio de Lisboa, ed. Alcalá
15.11.12


http://www.snpcultura.org/bendita_entre_os_povos_primeiro_texto_mariano_portugues_potamio.html