segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Arcanjos são Miguel, são Gabriel e são Rafael

SANTO DO DIA

Arcanjos são Miguel, são Gabriel e são Rafael

29 de Setembro - Arcanjos são Miguel, são Gabriel e são Rafael

O novo calendário reúne em única celebração os três arcanjos que eram comemorados em dia diferentes.Este dia, seria a festa do arcanjo São Miguel, o antigo padroeiro da sinagoga e agora padroeiro universal da Igreja. São Gabriel é o anjo da Anunciação, enquanto São Rafael é invocado como guia dos que viajam. 

A existência dos seres incorpóreos, que as Sagradas Escrituras chamam habitualmente de anjos, é uma verdade de fé.

Mas quem são os anjos? Eis a resposta de Santo Agostinho:"Angelus officii nomen est, non naturae...Anjo é denominação de encargo, não de natureza.Se perguntares pela denominação de natueza, é um espírito; se perguntares pelo encargo,é um anjo: é espírito por aquilo que é, e é anjo por aquilo que faz.

Os anjos são, pois, servidores e mensageiros de Deus.Pelo fato que "vêem sempre a face do Pai que está no céu", como se lê no Evangelho de Mateus, eles são executores poderosos de suas palavra, obedientes ao somda sua palavra"( Salmo 103,20).

São Miguel,como expressão da onipotência de Deus,recebeu desde o começo da história do cristianismo, um culto particular. Constantino e Justiniano erigiram-lhe dois santuários nas duas extremidades de Bósforo.

Em Roma o arcanjo domina a cidade do alto da Mole Adriana, a qual tomou o nome de Castelo Santo Anjo.

São Gabriel,"aquele que está diante de Deus",é o anunciador por excelência das divinas revelações: anuncia ao profeta Daniel o retorno do exílio do povo eleito; leva a Zacarias a notícia da iminente concepção do precursor do Messias.Depois, é-lhe confiada a missão mais alta que possa ser dada a uma criatura: o anúncio a Maria da Encarnação do Filho de Deus.
http://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=santo&id=461

Oração aos Arcanjos São Miguel , São Rafael e São Miguel

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Flores e perfumes de virtudes...

Que Maria sempre enfeite sua alma com as flores e o perfume de novas virtudes e coloque a mão materna sobre sua cabeça. Fique sempre e cada vez mais perto de nossa Mãe celeste, pois ela é o mar que deve ser atravessado para se atingir as praias do esplendor eterno no reino do amanhecer. 
São Paulo de Pietrelcina.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

23 de Setembro - São Pio de Pietrelcina


Padre Pio nasceu no dia 25 de maio de 1887, em Pietrelcina, Itália. Era filho de Gracio Forgione e de Maria Josefa de Nunzio. No dia seguinte, foi batizado com o nome de Francisco, e mais tarde seria, de fato, um grande seguidor de são Francisco de Assis.

Aos doze anos, recebeu os sacramentos da primeira comunhão e do crisma. E aos dezesseis anos, entrou no noviciado da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, da cidadezinha de Morcone, onde vestiu o hábito dos franciscanos e tomou o nome de frei Pio. Terminado o ano de noviciado, fez a profissão dos votos simples e, em 1907, a dos votos solenes.

Depois da ordenação sacerdotal, em 1910, no Convento de Benevento, padre Pio, como era chamado, ficou doente, tendo de voltar a conviver com sua família para tratar sua enfermidade, e lá permaneceu até o ano de 1916. Quando voltou, nesse ano, foi mandado para o Convento de San Giovanni Rotondo, lugar onde viveu até a morte.

Padre Pio passou toda a sua vida contribuindo para a redenção do ser humano, cumprindo a missão de guiar espiritualmente os fiéis e celebrando a eucaristia. Para ele, sua atividade mais importante era, sem dúvida, a celebração da santa missa. Os fiéis que dela participavam sentiam a importância desse momento, percebendo a plenitude da espiritualidade de padre Pio. No campo da caridade social, esforçou-se por aliviar sofrimentos e misérias de tantas famílias, fundando a "Casa Sollievo della Sofferenza", ou melhor, a "Casa Alívio do Sofrimento" em 1956.

Para padre Pio, a fé era a essência da vida: tudo desejava e tudo fazia à luz da fé. Empenhou-se, assiduamente, na oração. Passava o dia e grande parte da noite conversando com Deus. Ele dizia: "Nos livros, procuramos Deus; na oração, encontramo-lo. A oração é a chave que abre o coração de Deus". Também aceitava a vontade misteriosa de Deus em nome de sua infindável fé. Sua máxima preocupação era crescer e fazer crescer na caridade. Por mais de cinqüenta anos, acolheu muitas pessoas, que dele necessitavam. Era solicitado no confessionário, na sacristia, no convento, e em todos os lugares onde pudesse estar todos iam buscar seu conforto, e o ombro amigo, que ele nunca lhes negava, bem como seu apoio e amizade. A todos tratou com justiça, lealdade e grande respeito.

Durante muitos anos, experimentou os sofrimentos da alma, em razão de sua enfermidade e, ao longo de vários anos, suportou com serenidade as dores das suas chagas.

Quando seu serviço sacerdotal foi posto em dúvida, sendo investigado, padre Pio sofreu muito, mas aceitou tudo com profunda humildade e resignação. Diante das acusações injustificáveis e calúnias, permaneceu calado, sempre confiando no julgamento de Deus, dos seus superiores diretos e de sua própria consciência. Muito consciente dos seus compromissos, aceitava todas as ordens superiores com extrema humildade. E encarnava o espírito de pobreza com seriedade, com total desapego por si próprio, pelos bens terrenos, pelas comodidades e honrarias. Sua predileção era a virtude da castidade.

Desde a juventude, sua saúde sempre inspirou cuidados e, sobretudo nos últimos anos da sua vida, declinou rapidamente. Padre Pio faleceu no dia 23 de setembro de 1968, aos oitenta e um anos de idade. Seu funeral caracterizou-se por uma multidão de fiéis, que o consideravam santo.

Nos anos que se seguiram à sua morte, a fama de santidade e de milagres foi crescendo cada vez mais, tornando-se um fenômeno eclesial, espalhado por todo o mundo. No ano 1999, o papa João Paulo II declarou bem-aventurado o padre Pio de Pietrelcina, estabelecendo no dia 23 de setembro a data da sua festa litúrgica. Depois, o mesmo sumo pontífice proclamou-o santo, no ano 2002, mantendo a data de sua tradicional festa.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Oração a Nossa Senhora diante das tentações

Mãe querida,
acolhe-me em teu regaço,
cobre-me com teu manto protector
e, com esse doce carinho
que tens por teus filhos
afasta de mim
as ciladas do inimigo,
e intercede intensamente
para impedir que
suas astúcias me façam cair.

A ti me confio
e em tua intercessão espero.
Amem.

http://virgemimaculada.wordpress.com/category/oracoes/

As 15 Promessas para quem reze o Santo Rosário

1) Quem Me servir fielmente, rezando o Rosário, receberá grandes graças.
2) Primeto a Minha protecção especial ed as maiores graças a quem rezar o Rosário.
3) O Rosário será um escudo protector contra o inferno. Destruirá o vício, diminuirá o pecado e derrotará as heresias.
(Na verdade, se esta fosse a única promessa, era razão mais que suficiente para rezarmos o Rosário. Porque o que é que vemos no mundo de hoje? Onde quer que estejamos, vemo-nos rodeados de vício, pecado e heresia.)
4) Fará com que floresça a virtude e as boas obras. Obterá para as almas a misericórdia abundante de Deus. Afastará os corações dos homens do amor do mundo e das suas vaidades, e elevá-los-á ao desejo das coisas eternas. Oh, que as almas se santifiquem por este meio!
5) A alma que se recomendar a Mim rezando o Rosário não perecerá.
6) Quem rezar devotamente o Rosário, aplicando-se à meditação dos seus Sagrados Mistérios, nunca será derrotado pela infelicidade. Deus não o castigará na Sua justiça, e não morrerá sem estar preparado. Se for justo, ficará na graça de Deus e será digno da vida eterna.
7) Quem tiver uma devoção verdadeira pelo Rosário não morrerá sem os Sacramentos da Igreja.
8) Quem for fiel a rezar o Rosário terá, durante a sua vida e à hora da morte, a luz de Deus e a plenitude das Suas graças. Na altura da morte, participarão nos méritos dos santos no Paraíso.
9) Livrarei do Purgatório os que forem devotos do Rosário.
10) Os filhos fiédis do Rosário merecerão um alto grau de glória no Céu.
11) Conseguireis tudo o que Me pedirdes pela recitação do Rosário.
12) Todos os que propagarem o Santo Rosário terão a Minha ajuda nas suas necessidades.
13) Consegui do Meu Divino Filho que todos os que advogam o Rosário terão por intercessores toda a Corte Celeste durante a vida e à hora da morte.
14) Todos os que rezarem o Rosário são Meus filhos, e irmãos do Meu Filho único, Jesus Cristo.
15) A devoção ao Meu Rosário é um grande sinal de predestinação.

Meus amigos, estas promessas ainda são válidas. Nossa Senhora não faz promessas com um prazo de validade. Estas promessas não só ainda são válidas, como são válidas mais do que nunca. E porque é que eu digo mais do que nunca? Por causa de uma coisa que a Irmã Lúcia nos disse.

http://www.fatima.org/port/crusader/cr85/cr85pg7.pdf

Em Deus encontramos a misericórdia e o perdão

Em Deus encontramos a misericórdia e o perdão. O importante é ter a consciência de que não podemos mais nos ferir e de que não devemos mais ferir a relação com Deus.
Por esta razão, eu te declaro: os muitos pecados que ela cometeu estão perdoados porque ela mostrou muito amor” (Lucas 7, 47).


Nós hoje estamos diante de uma das cenas mais lindas do Evangelho de São Lucas que fala de uma mulher conhecida como pecadora, porque todos a conheciam. A fama dela era grande na cidade. Não sei de que pecado se trata, mas é uma pecadora conhecida por todos. Ela se aproxima de Jesus com um frasco de alabastro, joga aquele perfume caro nos pés d’Ele e chora sobre Seus pés. Com suas lágrimas ela vai banhando os pés do Mestre e depois os enxuga com os próprios cabelos; enche-os de beijos e unge os pés d’Ele com aquele perfume do alabastro que ela havia trazido.
Simão se escandaliza com a atitude de Jesus, porque o Mestre deveria saber de quem aquela mulher se tratava. Mas o Mestre mesmo diz: “Ah, Simão, ela demonstrou muito amor, e por demonstrar muito amor os seus muitos pecados estão perdoados. Porque aquele a quem se perdoa pouco se mostra pouco amor”.
Em outras palavras, o perdão de Deus chega até nós quando realmente demonstramos contrição e arrependimento pelas nossas faltas. Ela estava ali não porque simplesmente tinha um remorso, um desgosto, uma angústia ou uma sensação de sentir-se a mais infame das mulheres. Estava ali porque tomou consciência de que feriu o amor de Deus, estava arrependida de viver longe do amor divino, ferido por causa de seus inúmeros pecados.
E não importam o tamanho e a quantidade dos nossos pecados, o que é mais importante é o tamanho do nosso arrependimento! Pode ser um pecadinho só, mas se não demonstro nenhum arrependimento, ele vai só se acumulando dentro de mim. Por outro lado, podem ser inúmeros pecados, mas, de repente, se eu demonstro grande arrependimento, a misericórdia de Deus me lava e me inunda por inteiro.
Não importa a quantidade, não importa o pecado que você cometeu. O importante é ter a consciência de que não podemos mais nos ferir, de que não podemos mais ferir o outro e não devemos mais ferir a relação amorosa que temos com Deus. Eu me jogo aos pés do Mestre e, com o coração humilde, com o coração contrito, reconheço o quanto o pecado me fere e o quanto fere a minha relação com Deus. Que o amor de Deus e que a misericórdia d’Ele curem as feridas que o pecado deixa dentro de nós!
Deus abençoe você!
http://homilia.cancaonova.com/

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Maria junto á cruz

Ó Maria, nós te contemplamos junto à cruz de Jesus, identificada na tua dor, assim como a Cananeia se confundiu na dor e no sofrimento da filha!Nós te contemplamos corajosa,imperturbável, como a Cananeia, tanto que recebeste nesse momento uma missão universal, que, da tua dor pessoal te transporta à participação de todos os sofrimentos do mundo inteiro, e também dos nossos. Ensina-nos, Maria, a identificar-nos com teu Filho,nas suas dores e nas dores do mundo; a ser como tu, corajosos e intrépidos, pela graça do Espírito Santo que invocamos sobre nós do Pai, em nome de Jesus.

Cardeal Carlo Maria Martini.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Todo sofrimento pode se transformar em frutos de salvação

Deus está conosco e em Maria, aquela que soube sofrer tudo em Deus, Ele ensina para nós que todo sofrimento pode se transformar em frutos para a nossa salvação.
“Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma” (Lucas 2, 35).
Nós hoje celebramos a Senhora das Dores, Maria, a Mãe de Deus, a Mãe de Jesus, aquela que acompanhou os passos do seu Filho desde que foi concebido no seu ventre até a ressurreição gloriosa d’Ele. Ela acompanhou as alegrias da vinda de Jesus até a Sua glória. Mas, muitas vezes, as alegrias em Deus são recheadas também de espinhos, de dores, de sofrimentos. Contudo, toda a dor e todo o sofrimento deem ser vividos com um sentido e com uma luz.
A luz de Deus traz sentido pleno à nossa vida. Por isso, em Maria, todos os seus sofrimentos foram vividos por amor ao seu Filho Jesus e foram oferecidos para a salvação de toda a humanidade. Os sofrimentos de Maria não foram poucos, os sofrimentos dela foram por causa do seu Filho ou com Ele. Desde o momento em que Nossa Senhora aceitou e deu seu “sim” a Deus, ela sofreu a rejeição, a incompreensão, a perseguição, a solidão, o abandono, a dor e a tristeza. E também viu seu Filho ser rejeitado, ser incompreendido, ela viu seu Filho não ser amado.
Tudo aquilo que um filho sofre a mãe sofre junto e, muitas vezes, sofre muito mais, porque a mãe leva para si, carrega para si, tudo aquilo que o seu filho vive. No entanto, Maria não transformou os seus sofrimentos numa agonia sem fim ou sem sentido; ela os transformou em lágrimas de salvação, que foram todas para o coração de Deus, e ela está vertendo, hoje, para a nossa salvação.
Deixe-me dizer a você: Maria é companheira, é solidária, está junto de todos aqueles que sofrem. Ela sofre com você, mãe; sofre com você, pai; sofre com você, jovem; ela sofre as dores da humanidade, se faz solidária e se faz presente em nossa vida. Assim como ela foi consolo para o seu Filho, foi consolo para os seus, ela é também consolo para nós! Ela vem enxugar nossas lágrimas, vem nos ajudar a não nos perdermos em nossos sofrimentos e, sobretudo, a não nos entregarmos ao desespero.
Nós podemos passar pelo vale de lágrimas, podemos passar por sofrimentos até torturantes, mas não podemos nos desesperar, perder a direção, perder o sentido, perder o rumo da vida, jamais! Deus está conosco e em Maria, aquela que soube sofrer tudo em Deus, Ele ensina para nós que todo sofrimento pode se transformar em frutos para a nossa salvação.


Deus abençoe você!

http://homilia.cancaonova.com/homilia/todo-sofrimento-pode-se-transformar-em-frutos-de-salvacao/

Nossa Senhora das Dores nos aponta para uma Nova Vida


Quero ficar junto à cruz, velar contigo a Jesus e o teu pranto enxugar!”
Assim, a Igreja reza a Maria neste dia, pois celebramos sua compaixão, piedade; suas sete dores cujo ponto mais alto se deu no momento da crucifixão de Jesus. Esta devoção deve-se muito à missão dos Servitas – religiosos da Companhia de Maria Dolorosa – e sua entrada na Liturgia aconteceu pelo Papa Bento XIII.
A devoção a Nossa Senhora das Dores possui fundamentos bíblicos, pois é na Palavra de Deus que encontramos as sete dores de Maria: o velho Simeão, que profetiza a lança que transpassaria (de dor) o seu Coração Imaculado; a fuga para o Egito; a perda do Menino Jesus; a Paixão do Senhor; crucifixão, morte e sepultura de Jesus Cristo.
Nós, como Igreja, não recordamos as dores de Nossa Senhora somente pelo sofrimento em si, mas sim, porque também, pelas dores oferecidas, a Santíssima Virgem participou ativamente da Redenção de Cristo. Desta forma, Maria, imagem da Igreja, está nos apontando para uma Nova Vida, que não significa ausência de sofrimentos, mas sim, oblação de si para uma civilização do Amor.
Nossa Senhora das Dores, rogai por nós!
http://santo.cancaonova.com/santo/nossa-senhora-das-dores-nos-aponta-para-uma-nova-vida/

sábado, 13 de setembro de 2014

Quais são os frutos que provêm do seu coração?

Quais são os frutos que provêm do seu coração? A boca vai falar daquilo que o coração está cheio, por isso precisamos purificar nosso interior. 
“O homem bom tira coisas boas do bom tesouro do seu coração. Mas o homem mau tira coisas más do seu mau tesouro, pois sua boca fala do que o coração está cheio” (Lucas 6, 45).
Sabemos que uma árvore é boa pelos frutos que ela é capaz de dar! Porque uma árvore que só dá frutos ruins, estragados, sabemos que realmente ela não é boa. Da mesma forma, conhecemos uma pessoa não pela aparência dela, não é pelo seu externo, não é pelo seu físico, não é por aquilo que ela faz ou fala, mas sim pelos frutos que ela produz.
Sim, porque num primeiro momento ela pode até parecer fazer uma coisa boa, falar muitas coisas bonitas, mas os frutos que ela deixa por onde passa, muitas vezes, são frutos estragados; não são frutos tão bons. Outras vezes, olhamos para a pessoa e não damos nada por ela, mas por onde ela passa deixa frutos de bondade, de ternura, de reconciliação.
Nós queremos olhar para o bom tesouro, que é o nosso coração, e reconhecer quais são os frutos que temos produzido ao longo da nossa vida, onde nós estamos, na nossa família, no nosso trabalho, na nossa escola, na nossa comunidade e na nossa Igreja. Quais são os frutos que você produz por onde passa? Você leva a paz e a reconciliação? Leva as pessoas a refletir? Oo onde você está há briga, confusão, as pessoas não se entendem e você, muitas vezes, causa essas coisas todas?
Quais são os frutos que provêm do seu coração? A boca vai falar daquilo que o coração está cheio! Deixe-me dizer a você: se dentro do seu coração há muita maldade, muito rancor, raiva, ressentimento, ódio, vingança contra o seu próximo, é verdade que as palavras que vão sair da sua boca serão palavras pesadas!
Mas, por outro lado, se dentro do seu coração há reconciliação, amor, ternura; você pode até passar por desentendimentos, por decepções, mas as palavras que vão sair da sua boca serão palavras que vão edificar e fazer bem. Porque a boca fala daquilo que há dentro do seu coração.
Então, o que nós precisamos primeiro é purificar o que está dentro de nós, aquilo que guardamos em nosso coração. Por isso, digo a você: não vale a pena guardar rancor, não vale a pena guardar ressentimento, não vale a pena guardar lixo, entulho, coisa velha e estragada dentro de nós! Porque, senão, o que vai sair de nosso interior será coisa velha e estragada. Ao passo que, se procuramos limpar o nosso interior, purificar o nosso coração, deixar coisas boas dentro de nós, teremos coisas boas para dizer ao outro e para fazer o bem acontecer onde estamos presentes.
Que eu e você possamos produzir muitos bons frutos, provenientes de um coração em que há muitas coisas boas guardadas dentro de si.
Deus abençoe você!
http://homilia.cancaonova.com/

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Amanhã pode ser tarde

Amanhã pode ser tarde.
Ontem?…Isso faz tempo!…
Amanhã?…Não nos cabe saber…

Amanhã pode ser muito tarde…
Para você dizer que ama,
Para você dizer que perdoa,
Para você dizer que desculpa,
Para você dizer que quer tentar de novo,

Amanhã pode ser muito tarde…
Para você pedir perdão,
Para você dizer: desculpe-me, o erro foi meu!

O seu amor, amanhã, pode já ser inútil;
O seu perdão, amanhã, pode já não ser preciso;
A sua volta, amanhã, pode já não ser esperada;
A sua carta, amanhã, pode já não ser lida;
O seu carinho, amanhã, pode já não ser mais necessário;
O seu abraço, amanhã, pode já não encontrar outros braços…
Porque amanhã pode ser muito… muito tarde!

Não deixe para amanhã para dizer:
Eu amo você!!
Estou com saudades de você!
Perdoe-me!
Desculpe-me!
Esta flor é para você!
Você está tão bem!

Não deixe para amanhã
O seu sorriso,
O seu abraço,
O seu carinho,
O seu trabalho,
O seu sonho,
A sua ajuda.

Não deixe para amanhã para perguntar:
Por que você está triste?
O que há com você?
Hei, venha cá, vamos conversar.
Cadê o seu sorriso?
Ainda tenho chance??
Já percebeu que eu existo?
Por que não começamos de novo?
Estou com você!
Sabe que pode contar comigo?
Cadê os seus sonhos?
Onde está a sua garra?

Lembre-se:
Amanhã pode ser tarde… muito tarde!
Procure. Vá atrás! Insista! Tente mais uma vez!
Só hoje é definitivo!
Amanhã pode ser tarde…
HOJE, e não AMANHÃ.

http://formacao.cancaonova.com/diversos/amanha-pode-ser-tarde-2/

Modéstia, como as mulheres devem se portar - Parte 2

Modéstia, como as mulheres devem se portar - Parte 1

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Mudando o Guarda-roupas

Quando começamos no caminho da modéstia, não é fácil! Só temos calças e precisamos nos desfazer delas. Só que é difícil de um dia para o outro comprarmos tudo novo, geralmente a maioria de nós não nascemos em berço de ouro pra poder fazer isso. E portanto é necessário ir adaptando o que temos no guarda-roupas e no início usar o que temos de mais modesto. Então assim aos poucos vamos mudando as vestimentas que temos, nos desfazendo do que não usaremos mais, e comprando saias e vestidos modestos.




Aqui neste artigo você vai encontrar algumas dicas para adaptar o que temos no guarda-roupas e assim entrar no caminho da modéstia sem comprometer muito o orçamento familiar.

Organizando o Guarda-roupas

O Primeiro passo (eu fiz isso quando decidi mudar e funciona!) é abrir seu guarda-roupas e separar o que temos ali em 3 tipos de roupas:

1 - Roupas totalmente modestas, que são: blusinhas com mangas longas, ou que vão até a metade do braço (não transparentes nem que revelem o que deve ficar oculto); camisetas; camisas com mangas; boleros; Saias com no mínimo 8 cm abaixo dos joelhos; Saias longas; Vestidos longos e com mangas;

2 - Roupas parcialmente modestas: Estas contém algumas partes modestas e que podem ser usadas em conjunto com uma outra peça. Como por exemplo: uma regata pode ser usada com um bolerinho por cima. Ou então um vestido longo mas sem mangas, eu posso colocar as mangas, ou enviar a uma costureira, ou ainda, como eu costumo fazer (fica fácil, bonito e barato hehe), é usar com um bolerinho por cima. Costumo ter boleros preto ou branco, cores neutras assim que combinam com qualquer cor de roupas, até mesmo floridas. Também podemos separar aquelas saias folgadinhas que estão no limite tolerável, por exemplo acima do joelho um pouco, assim é possível adaptá-las também, colocando uma renda bonita e grande na barra (acima do joelho me refiro a uns 2 cm no máximo e folgadas, pois as que são demasiadamente justas e curtas não há adaptação possível).

Outras peças reutilizáveis são: Vestidos curtos (os folgados), podem ser feito saias! Sim e funciona, eu agora não tenho fotos pra postar, mais tarde irei postar em outro artigo mostrando como fazer, mas é possível retirar a parte de cima do vestido e "abaixar" um pouco ele e transformá-lo numa saia. Fiz isso com uns vestidos meus e ficaram muito bons. É melhor que jogar fora.

3 - Peças totalmente imodestas: Vestidos curtos e justos demais, blusinhas de alças, calças jeans, shorts, bermudas, blusinhas com abertura nas costas (frente única), tomara que caia. Estas são algumas peças totalmente imodestas e para elas não há adaptação possível. É necessário jogar tudo fora e comprar outras.

Lembrando que se desfazer de uma peça não é o mesmo que dar de presente a alguém ou vender, pois assim outra pessoa usaria a roupa imodesta. A criatividade feminina saberá o que fazer com elas.

Outras dicas para iniciar no caminho da modéstia:

Quando uma moça inicia no caminho da modéstia aparecem os comentários, e ela fica com medo e as vezes até recua, não consegue continuar, a primeira vez que se veste com modéstia se sente estranha, por que era algo diferente do dia a dia que ela estava acostumada. Então meninas para vocês acostumarem uma dica é primeiro ir a Santa Missa de saias longas, lá ninguém vai achar estranho e é obrigação nossa irmos para a missa vestidas decentemente. Quando estiver habituada, pode ir mudando o seu dia a dia e usando as roupas da mesma maneira. Aos poucos vocês acostumam.

Temos que ter em mente que seguir a Cristo exige renúncias da nossa parte, e generosidade para com o próximo. As vezes temos que enfrentar zombarias, com Cristo foi assim, e conosco não deveria ser diferente. Quem procura aplausos procura a glória própria e como diz as escrituras, que a única coisa que eu possa me gloriar seja da Cruz de nosso Senhor.

Então fiquem firmes meninas! E não desistam, com o tempo vocês acostumam, e as pessoas que a rodeiam vão também se acostumar com a sua nova forma de se vestir, temos que dar testemunho da nossa fé onde formos.

Lex Orandi, Lex Credendi, Lex Vivendi!!

http://floresdamodestia.blogspot.com.br/2013/01/mudando-o-guarda-roupas.html

Cinco bons motivos para não usar mais calças!

Bom, alem dos artigos que já citamos de que a Calça "feminina" fere a Modéstia, e também outros artigos que tratam do tema, como a notificação do Cardeal Siri, que condena o uso de roupas masculinas sendo usada por mulheres, e ainda citações de Santos, como São Padre Pio de PietrelcinaModéstia e Padre Pio, dentre outros, vamos citar agora nesse artigo, outros bons motivos para você mulher, não usar mais calças. Além de deixar a mulher masculinizada, imodesta (por que a grande maioria são colantes), também fazem muito mal à sua saúde.

Existem duas maneiras que as Mulheres usam calças hoje:


- Coladas: Fazem mal à tua saúde, como vamos citar algumas comprovações neste artigo. Além de serem indecentes, pois mostram o corpo: Coxas, glúteos, e regiões genitais.

- Folgadas: Algumas pessoas dizem que assim a mulher fica modesta, e eu digo: DEPENDE. Mesmo folgadas, elas delineiam os glúteos, se assim não fosse não seriam calças. E se for cobrir com uma outra peça? Você consegue imaginar uma calça folgada com um blusão por cima que coisa feia pareceria! Pareceria uma mulher vestida de homem, e é realmente o que é.

O que fazemos então é usar saias e vestidos modestos, nos deixam mais graciosas, femininas, além de serem "roupa de mulher". É o mais correto, aqui você encontra algumas instruções do Padre Daniel. P. Pinheiro do IBP sobre a os padrões das vestimentas femininas.

A Calça além de imodesta, masculina, também prejudica a Saúde da Mulher.


1. Calças justas demais elevam a temperatura nas partes íntimas da mulher, o que ocasiona em muitos casos em Corrimento vaginal. Com a umidade e a temperatura alta, a região genital torna-se propícia ao desenvolvimento de fungos e bactérias que podem causar doenças como a candidíase. "Apesar de não ser grave, a candidíase é uma urgência para a mulher, pois incomoda demais", observa o dr. Vladimir Taborda, ginecologista do Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

2. Calças apertadas podem dificultar o retorno do sangue venoso, que passa muito tempo nos membros inferiores. Essas roupas geram compressões, ao longo da perna e na região abdominal, sem uma graduação adequada, aumentando a chance de ter varizes por exemplo. Ou quem já tem de piorar o quadro. Outra consequência da falta de circulação sanguínea é a Lipodistrofia ginóide (popularmente chamada de celulite). 

3. Usar calças muito apertadas, pode provocar também dores nas Costas: Faça você mesmo o teste, e compare, marcando suas sensações por dois dias seguidos. Num, use uma combinação bem justa e, no outro, escolha um modelo que deixe seu corpo bem à vontade como um vestido. A diferença é notável: vestindo peças que restringem seus movimentos, você é obrigado a sobrecarregar os músculos e as vértebras para realizar atividades que, normalmente, nem exigiriam tanto esforço. Com o quadril comprimido, sua coluna sofre para dar suporte aos movimentos. 

4. Aquela sensação de formigamento ou queimação na coxa pode indicar danos nos nervos, um resultado das calças coladas. O nome médico da condição é meralgia parestésica, encontrada em inúmeras pacientes que usavam roupas extremamente apertadas. A condição causa sintomas como formigamento, entorpecimento e dor na lateral da coxa. A enfermidade ocorre quando o nervo que passa pela lateral da coxa é pressionado e sai da pélvis. Usar salto alto e calça skinny jeans pioram os sintomas, pois pressionam ainda mais a pélvis. Algumas mulheres descrevem a sensação como uma “flutuação” que as deixam fracas, segundo o DailyMail. Mulheres acima do peso que usaram calças apertadas por mais de 6 meses são as mais afetadas pelo problema. Sensações de queimação na coxa é uma sinalização de que as coisas não vão bem entre a sua calça e sua perna.

5. Calças apertadas deformam o corpo da mulher, ocasiona marcas que ficam para a vida toda. O tecido adiposo que deveria se distribuir de forma uniforme pelo corpo (abdômen, glúteos, quadril e coxas), acumulam-se apenas na parte lateral do abdômen, formando os famosos "pneus". Veja na Imagem abaixo:

Esse tipo de modelo de calça aperta linearmente uma área que deve ter liberdade para o crescimento. "Por exemplo, se uma menina de 11 anos comprar uma calça assim, e usar somente esse modelo até os 14 anos de idade, não terá no lugar do quadril um crescimento de forma correta, devida a pressão que ocorre sobre esta região.” Afirma o alerta Cirurgião Plástico, Dr. Raul Gonzalez, um dos mais experientes cirurgiões de Remodelagem Glútea e de Próteses Corporais do país.

Bom como podemos ver, a calça jeans é inimiga das mulheres! Se você optou por mudar seu guarda-roupas parabéns! Fez a melhor escolha! Aqui damos algumas dicas para as meninas que estão começando agora o caminho da modéstia e quer renovar seu guarda-roupas. Acesse: Mudando o guarda-roupas.

Espero que tenham gostado! 

Salve Maria Puríssima.

http://floresdamodestia.blogspot.com.br/2013/05/bons-motivos-para-nao-usar-mais-calcas.html

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Oração de súplica no cansaço da vida

Mãe, venho do tumulto da vida. O cansaço me invade todo o corpo e principalmente a alma. É tão difícil aceitar, em paz ,o que acontece ao redor da gente durante um dia de trabalho e de luta....
As coisas, em que tínhamos depositado tanta confiança, tantas vezes nos decepcionam. As pessoas, para quem queremos ser bondade, nos rejeitam. E as outras, a quem socorremos em uma necessidade, muitas vezes querem se aproveitar de nós.
Por isso Mãe eu venho a ti, porque dentro de mim está uma criança insegura. Mas, junto de ti, sinto-me forte e confiante. Só de pensar que tenho uma mãe como tu Maria, já me animo. Sinto-me apoiado em teu braço e guiado por tua mão. Assim eu posso, com tranquilidade, continuar o meu caminho.
Renova-me completamente para que eu consiga ver mais uma vez como a vida é bonita, alegre e as pessoas são boas. Levanta-me para que eu possa caminhar sem medo, com coragem. Dá-me tua mão para que eu acerte sempre meu caminho. Dá-me tua bênção para que minha presença seja, no meio do mundo, um sinal de tua bênção.
Mãe de Deus, roga por mim, roga por nós!
Amém.

Oração de São Bernardo a Santíssima Virgem

Lembrai-Vos, ó piedosíssima Virgem Maria, que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que recorrem à vossa proteção, imploram a vossa assistência, e reclamam o vosso socorro, fosse por Vós desamparado. Animado eu, pois, com igual confiança, a Vós, Virgem entre todas singular, como a Mãe recorro, de Vós me valho e gemendo sob o peso dos meus pecados, me prostro aos Vossos pés. Não desprezeis as minhas súplicas, ó Mãe do Filho de Deus humanado, mas dignai-Vos de as ouvir propícia e de me alcançar o que Vos rogo… Amém.

Oração de São Bernardo a Santíssima Virgem

Purifique-se de tanta escória...



Acostuma-te a colocar o teu pobre coração no Doce e Imaculado Coração de Maria, para que o purifique de tanta escória, e te leve ao Coração Sacratíssimo e Misericordioso de Jesus. (Sulco, 830)

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Santa Verônica Giuliani

Esta Santa nasceu em Mercatelo, Urbino, perto de Milão, na Itália em 1660 e entrou no convento dos Capuchinhos na Cittá di Castello, em Umbria em 1677. Santa Verônica foi canonizada pela sua piedade, mas é mais lembrada pelas maravilhas que rodearam a sua vida. Filha de uma família de posses, bem cedo estava dando suas roupas para os pobres e já aos 11 anos era fervorosa devota na Paixão do Senhor e já tinha visões. Decidiu-se tornar uma freira quando teve visões da Virgem Maria, mas seu pai se opunha. Ela insistiu e finalmente, em 1677, seu pai permitiu que ela se tornasse uma noviça do Convento dos Capuchinhos em Citá di Castello, na Umbria. Seu noviciato foi  difícil. Ela aumentou sua devoção à Paixão de Cristo e foi agraciada com  visões de Jesus Cristo carregando a cruz e algum tempo depois começou a sentir dores no coração. Em 1693, teve outra visão do cálice de Cristo que foi oferecido a ela. Na Paixão de 1694, ela já era esposa de Jesus e teve uma visão da Coroa de Espinhos de Cristo e seus ferimentos apareceram em sua cabeça.
         Três anos mais tarde ela viu a Virgem Maria dizer a Jesus “deixe tua noiva ser crucificada com Vós” e então com a idade de 37 anos, ela recebeu os estigmas nas mãos, nos pés e no lado por um longo período de êxtase no dia 5 de abril de 1697. Medicamentos foram dados a ela, mas os ferimentos não cicatrizavam. Ela escreveu com detalhes a sua experiência e disse como os raios de luz vieram dos ferimentos de Jesus e tornaram-se pequenas chamas de fogo em forma de prego e o quinto em forma de uma lança de ouro.
A Santa escreveu: “Senti uma grande agonia, mas com a dor eu vi claramente e estava consciente que eu estava sendo transformada em Jesus. Quando eu  estava sendo ferida, no meu coração, nas minhas mãos e nos meus pés, os raios de luz brilhavam com uma radiação diferente de volta ao Crucifixo e iluminava o lado, as mãos e os pés de Jesus, que estava pendurado ali. Assim meu Senhor e meu Deus me esposou e me deu para sua guarda a sua mais Santificada Mãe, para sempre e sempre, e ela e o meu Anjo da Guarda me cuidam e Ele assim falou “Eu sou vós e Eu me dou para vós. Pedi o que quiserdes e vos será dado”.
E eu respondi: “Meu amado, a única coisa que quero e peço, é nunca me separar de Vós. E aí tudo desapareceu brilhando”.
Ao acordar do êxtase, ela encontrou os ferimentos ainda doloridos, o sangue e a água saindo do seu lado. Ela não queria que os ferimentos fossem vistos e os escondeu até 1700, quando Jesus prometeu que as marcas só ficariam mais três anos. Daí em diante só o seu lado sangrava. Logo após o seu primeiro aparecimento, os ferimentos foram examinados pelo bispo da “Citá di Castello” que imaginou um experimento especial para ela, de modo a excluir qualquer fraude. Os ferimentos foram envolvidos em bandagem, atados e lacrados com o selo do bispado, e ela foi cuidadosamente separada das outras Irmãs e sempre sob observação e guarda.
Os ferimentos permaneceram. Durante seus êxtases um odor era por ela emitido, o que ela às vezes levitava. O bispo ficou impressionado pela sua obediência e humildade e ficou complemente convencido que o fenômeno era genuíno.
 Um relatório favorável foi enviando ao Santo Oficio em Roma e a Verônica foi-lhe permitido continuar em sua vida normal.
Esta Santa foi eleita Abadessa em 1716, e serviu nesta função por 11 anos. Ela proibia as noviças de lerem livros sobre misticismo. Em seu lugar ela insistia nas virtudes do cristão Rodrigues e sua perfeição religiosa. Ela não só se empenhava na sua vida espiritual, como era uma mulher prática. Melhorou a comunidade durante a sua gestão como Abadessa, especialmente instalando água encanada no convento, expandindo e aumentando os prédios do monastério. Verônica disse ao seu conselheiro espiritual e confessor, que os instrumentos da Paixão de Cristo estavam “impressos” em seu coração e desenhava a posição deles para ele, e mais de uma vez disse-lhe que eles mudavam de  posição ao longo dos anos. Morreu de apoplexia e seu coração foi examinado por especialistas, após a sua morte, e “milagrosamente” tinha imagens da cruz, da coroa e do cálice. Os exames também revelaram que a curvatura do seu ombro direito era como se ela tivesse carregado uma pesada cruz por muitos anos. 
Uma autobiografia 10 volumes, que ela escreveu ao seu conselheiro e confessor, foi usada no processo de beatificação e as suas experiências místicas foram autenticadas por várias testemunhas e publicadas após a sua canonização. Apesar de estar quase sempre num estado de êxtase, ela não era visionária, muito pelo contrario, era muito prática e tinha uma mente religiosa sensata. Levitação e estigmas que cessaram de sangrar a uma voz de comando,  revelaram que Santa Verônica é um dos maiores e mais bem documentados exemplos de prolongada e intensa vivência da Paixão de Cristo e que teve efeitos extraordinários nos seus devotos.
Ela é, na liturgia da Igreja, mostrada com sua cabeça marcada com uma coroa de espinhos e segurando um coração e um crucifixo.

http://www.cademeusanto.com.br/santa_veronica_giuliani.htm

Santa Beatriz

"Filha, não morrerás. Fundarás uma grande ordem religiosa com o título da Imaculada Conceição; suas filhas vestirão um hábito semelhante às minhas vestes e se dedicarão a servir a Deus, em união comigo".
Michelle Viccola
Dom Rui Gomes da Silva, bravo cavaleiro português, participou da tomada de Ceuta e permaneceu em território luso na África, como alcaide da vila fronteiriça de Campo Maior. Por seu heroísmo e coragem, ali recebeu em casamento Dona Isabel de Menezes, filha doSanta Beatriz_da_Silva.jpgConde de Vila Real, ilustre descendente do primeiro monarca português, Dom Afonso Henriques. Foi no seio desse matrimônio que nasceu, em 1426, Beatriz da Silva Menezes, a oitava filha do nobre casal. À elevada origem, unia Dona Isabel singulares virtudes de esposa e mãe, que soube educar com profundo senso católico seus numerosos filhos.
Calma e inocência até os 23 anos
Desde a mais tenra idade, Beatriz demonstrava qualidades excepcionais: docilidade, retidão de consciência, inclinação para as virtudes e atração pelas coisas elevadas e espirituais. Em certa ocasião, seu pai encomendou a um pintor um quadro da Santíssima Virgem. Escolhida para posar como modelo, Beatriz se manteve todo o tempo com os olhos baixos, por humildade. O quadro ainda existe e é conhecido como a Virgem dos olhos fechados.
Até os 23 anos viveu calmamente no seio da família, mas em 1447, sua vida sofreu uma grande mudança. A princesa Dona Isabel, sua prima de 19 anos, ia se casar com Dom João II de Castela e a convidava para ser sua dama na corte espanhola.
Beatriz confiou à Santíssima Virgem a perspectiva aberta por esse convite. Embora ainda não estivesse definido o dogma da Imaculada Conceição, era pelo nome de Imaculada que ela gostava de invocá-La. Uma voz interior inspirava-lhe o ideal de empreender algo verdadeiramente grande para a glória da Mãe de Deus, mas ela não sabia como realizá-lo. Agora, porém, parecia brilhar-lhe uma luz: não seria sua ida para a corte um meio de pôr em prática esse ideal?
Nem lhe vieram à mente as honras, a posição social, o lugar de destaque na corte. Sua preocupação era, sobretudo, glorificar a Deus.
Virtude ilibada em meio aos perigos da corte
Beatriz partiu. Encontrou um ambiente muito diferente daquele no qual até então tinha vivido. A corte se deslocava de Tordesilhas para Madrigal de las Altas Torres, e viceversa, dependendo das circunstâncias e necessidades.
O fausto e o luxo das cortes reais alcançaram seu apogeu no século XV. Banquetes, torneios, caçadas, profusão de jóias, faustoso vestuário, ricos palácios, tudo isso influenciava enormemente a nobreza. Nelas não faltavam ambição, intrigas, invejas dissimuladas, competições e comparações.
Beatriz possuía beleza, dignidade e gentileza extraordinárias. Todos afirmavam que nunca haviam visto nobre mais formosa em terras de Espanha e Portugal. Recebia, por isso, inúmeros elogios das outras damas e também dos cavalheiros. Mas ela atraía, sobretudo, pela beleza de seu espírito. Sua grandeza de alma a mantinha acima de todas as futilidades mundanas e, ao mesmo tempo, a fazia condescendente e bondosa para com todos, exceto com quem poderia desviá-la do caminho reto.
Vítima do ciúme da soberana
Passaram-se três anos desde a chegada de Beatriz à corte. Suas virtudes, que antes produziam admiração, agora eram causa de ciúme e comparações, aos quais a própria rainha Isabel não ficara imune.
Boatos maldosos lançavam dúvida sobre a virtude de Beatriz, pois o rei Dom João II, homem de caráter tímido e inseguro, procurava alento para governar seu reino nas conversas elevadas que com ela mantinha. Surgiram, então, na rainha Isabel, idéias fantasiosas acerca da fidelidade conjugal do seu esposo.
Tomada de profundo ódio, ela procurou de todas as formas maltratar Beatriz. Além de repreendê-la severamente em público, isolava- a do conjunto das damas nobres e patenteavalhe desprezo por meio de palavras ásperas e cortantes. Embora a santa suportasse todas essas humilhações com exemplar humildade e redobrasse suas manifestações de amor e fidelidade para com a rainha, esta decidiu de uma vez por todas livrar-se dela.
Certa noite, tendo chegado cansada a seus aposentos, Beatriz derramou abundantes lágrimas aos pés de uma imagem de Nossa Senhora e implorou-Lhe forças para manter-se fiel naquela dramática situação e poder cumprir o chamado que sentia no fundo da alma. Logo depois, ouviu fortes golpes na porta. Quem seria àquelas horas? Era Dona Isabel, que a fulminava com olhos desvairados, segurandonuma das mãos uma lanterna.
- Segue-me! - ordenou-lhe, com voz fria, a soberana. A jovem dama deixou seus aposentos e seguiu a rainha que, com passos rápidos, dirigia-se à parte inferior do castelo.
Atravessaram longos corredores e desceram as enormes escadas que conduziam a um subterrâneo. A escuridão ali era completa e as paredes frias e úmidas. Beatriz teve medo das intenções da soberana. Esta se deteve diante de um velho cofre, alto e muito estreito, e, com uma gargalhada sarcástica, disse:
- Já me enganaste até agora! Pretendes conquistar o rei, livrar-te de mim e subir ao trono de Castela... Não o conseguirás! Entra aí ou eu mesma a lançarei. Fitando-a com firmeza, disse-lhe Beatriz:
- Senhora, quereis matar-me, mas sabei que sou inocente das culpas que me imputais. Deus, justo Juiz, é testemunha de vosso ato. Que Ele perdoe a vossa loucura, minha prima, e vos dê a graça do arrependimento para purificardes vossa alma. Dona Isabel empurrou-a violentamente para dentro do cofre, bateu a porta e trancou-a com uma grande chave, esperando que a falta de oxigênio ceifasse a vida de sua bela "rival".
No pavor e na escuridão brilha a Imaculada
A nobre dama viu-se sem qualquer possibilidade de salvação. Morreria sem os Sacramentos, sem receber auxílio de ninguém, numa agonia lenta e pavorosa. Começava já a sentir falta de ar. Só os Céus poderiam ajudá-la. Confiante, dirigiu-se a Nossa Senhora:
- Ó Maria Imaculada, valei- me! - Nesse instante, mais resplandecente que o Sol, apareceu- lhe Nossa Senhora vestida de branco, com um manto azul, e tendo nos braços o Menino Jesus.
- Filha, não morrerás. Conservo-te a vida para realizares o que tanto tens desejado. Fundarás uma grande ordem religiosa com o título da Imaculada Conceição; suas filhas vestirão um hábito semelhante às minhas vestes e se dedicarão a servir a Deus, em união comigo.Sta Beatriz da Silva e a Rainha Isabel, a Catolica.jpg
Arrebatada por tal visão, Beatriz permaneceu três dias no cofre, cheia de consolação e alegria, sem sentir passar o tempo.
Seu tio, Dom João de Menezes, que também residia na corte, notando a ausência da sobrinha, foi pedir a Dona Isabel notícias dela. A rainha levou-o ao cofre, onde julgava encontrar apenas um cadáver. Mas, qual não foi sua surpresa! Ao abrir a porta, saiu Beatriz ainda mais bela, reluzente como um diamante.
Preparação para a grande fundação
Beatriz perdoou sua ama, que se arrependera, mas decidiu deixar as intrigas da corte e procurar refúgio no mosteiro de São Domingos el Real, situado em Toledo. Naqueles tempos, era comum os conventos hospedarem pessoas de alta categoria que, sem obrigação de seguir a regra, neles levavam uma vida monacal. Era por esse estilo de vida que Beatriz ansiava. Não mais serviria a uma rainha da terra, mas à Rainha dos Céus.
Dona Isabel, em reparação pelo que fizera, lhe preparara todo o necessário para a penosa e arriscada viagem. No caminho, Beatriz encontrou- se com dois frades franciscanos que lhe falaram profeticamente sobre o futuro de sua fundação. Quando, porém, ela os convidou para cearem com a comitiva, na próxima pousada, eles desapareceram aos olhos de todos. Ela então compreendeu que eram São Francisco de Assis e Santo Antônio de Lisboa, fortalecendo- a para seguir com seu empreendimento.
Após transpor os umbrais da clausura do mosteiro de São Domingos, a nobre dama cobriu seu rosto com um véu branco, que usaria até o fim da vida para ocultar sua formosura aos homens e oferecê-la só a Deus. Nunca mais aquela belíssima fisionomia, que conservaria sua juventude e louçania até a morte, seria contemplada pelas criaturas.
O silêncio, o recolhimento e o cerimonial preparavam-na para enfrentar as dificuldades que seriam a base de sua fundação. A visão que tinha contemplado dentro do bendito cofre nunca a abandonava... Quando chegaria o dia de vestir aquele hábito branco e azul, símbolo da Imaculada?
Os frutos de uma longa espera
As longas esperas anunciam que Deus será generoso no momento de dar. Passaram-se mais de trinta anos... Trajando um burel religioso, Beatriz, simples hóspede no mosteiro, porta-se de tal forma como uma perfeita religiosa que as próprias monjas a tomam como exemplo.
Em 1484 uma importante visita chega ao mosteiro. Era a rainha Isabel, a Católica, filha e sucessora daquela que quisera tirar a vida de Beatriz..Tinha pedir-lhe orações pela situação política de seu reino. No fim da conversa, a soberana, muito empenhada em ajudá-la em algo, ofereceu-lhe um palácio junto à Igreja da Santa Fé, em Toledo, para aí iniciar sua obra tão almejada. Beatriz viu nesse oferecimento a mão da Divina Providência: era o momento!
A fundação
A notícia da fundação do novo mosteiro correu célere por toda a redondeza. Logo se apresentaram várias candidatas, muitas delas de nobre família, para pertencer à Ordem das Concepcionistas Franciscanas, pois seria um ramo da Ordem dos Frades Menores. A todas Beatriz instruía sobre a austeridade da vida monástica, a clausura, o silêncio e a mortificação.
Doze dessas jovens perseveraram em seus piedosos desejos, inclusive Filipa da Silva, sua sobrinha. Beatriz se empenhava em formar suas filhas espirituais. Tomando como mestra e modelo sua santa madre, elas moldaram- se inteiramente por seu grande espírito.
Viviam em contemplação e trajavam, em caráter privado, hábito branco com uma imagem da Virgem cercada de raios e coroada de doze estrelas, manto azul, e cingiam-se com o cordão de cânhamo franciscano.
Com a fundação desse convento estava estabelecida a Ordem da Imaculada? Ainda não. Faltava a aprovação definitiva do instituto com sua regra, hábito e título de Imaculada Conceição. Era preciso solicitá- la à Santa Sé. Disto se encarregou a rainha, que gozava de grande estima junto ao Pontífice reinante, Inocêncio VIII.
Algum tempo depois, Beatriz foi chamada à roda do mosteiro. Era um cavaleiro com a notícia de que o Papa aprovara sua fundação e que a bula de aprovação já se achava a caminho, por mar. A alegria pervadiu o convento: cânticos, festas!
Mas, passados alguns dias, o mesmo cavaleiro retornou com uma trágica notícia: o navio havia naufragado e a bula estava perdida.
Beatriz levou um forte golpe. Seria algum sinal da Providência? Pôsse diante do sacrário, rezando por sua fundação. Suas filhas, em vigília, oravam com ela. Permaneciam numa inabalável confiança, pois a Santíssima Virgem não deixaria inacabada a obra por Ela mesma começada. Mas era uma delonga cuja duração não podiam calcular...
A confiança gera o milagre
Após três dias de orações, a santa madre abriu a gaveta de um móvel, da qual só ela tinha a chave, e deparou com um pergaminho enrolado, que ela nunca vira antes. Sentiu um forte cheiro de mar e seu coração estremeceu: "Meu Deus, isto parece a bula pontifícia".St Beatriz da Silva.JPGPegou-o e percebeu um selo pendente de um fio; desenrolou- o um pouco e pôde ler algumas palavras em latim. Tinha todas as características de uma bula.
Para certificar-se de que realmente se tratava de um milagre, Beatriz enviou o documento ao bispo para este dar seu parecer: era a bula InterUniversa, com a aprovação pontifícia da Ordem, datada de 30 de abril de 1489! Ficou conhecida como a "Bula do Milagre".
Beatriz era devota do Arcanjo São Rafael desde a infância. E estava totalmente convencida de que o cavaleiro que lhe trouxera a notícia da bula era ele. Portanto, para ela, São Rafael também havia recuperado o documento das águas!
A verdadeira renúncia
Em agosto de 1490, quando as religiosas faziam o retiro preparatório para a profissão solene dos votos e a recepção oficial do hábito, a Virgem Maria apareceu à santa fundadora e lhe disse:
- Filha, não é minha vontade, nem de meu Filho, que gozes aqui na terra o que tanto tens desejado. Daqui a dez dias virás comigo ao Paraíso.
Beatriz caiu enferma e revelou ao confessor a visão que tivera. Manteve- se sempre calma e confiante, oferecendo a Deus o que lhe era mais caro: a realização de sua obra. Recebeu o hábito e fez os tão desejados votos. Para ministrar-lhe a unção dos enfermos foi necessário descobrir sua face e todos puderam então contemplar uma fulgurante estrela que brilhava sobre sua fronte e se refletia no sorriso. Essa estrela assim permaneceu até a santa exalar o último suspiro. Era o dia 16 de agosto de 1491.
A estrela da Imaculada continua a refulgir nos céus da Igreja
Os ecos de sua santidade, que já se faziam ouvir durante sua vida, propagaram- se muito mais após sua morte. A própria permanência da nova Ordem, que rapidamente se expandiu em meio a tremendas dificuldades, é prova de sua intercessão.
O Papa Paulo VI canonizou-a em outubro de 1976. Suas relíquias são veneradas no mosteiro da Conceição, em Toledo. Delas se exala um suave perfume, comprovado inúmeras vezes. A Ordem das Concepcionistas foi a primeira instituição religiosa feminina a estabelecer-se na recém- descoberta América, em 1530. Atualmente, ela conta com quase 200 conventos espalhados por quatro continentes: Europa, América, África e Ásia.
A humilde árvore nascida na escuridão de um cofre haveria de estender seus galhos por toda a terra e amparar sob sua sombra protetora as almas desejosas de servir Àquela que é "bela como a Lua, brilhante como o Sol e terrível como um exército em ordem de batalha" (Ct 6,10) - (Revista Arautos do Evangelho, Dez/2008, n. 84, p. 30 à 33)

http://www.arautos.org/artigo/1017/Santa-Beatriz-da-Silva.html