sábado, 29 de março de 2014

A casa do Senhor

Certa mãe contou que havia perguntado a seu pequeno filho qual o número mais alto que ele havia conseguido atingir em uma contagem, e a resposta foi: "Eu cheguei a 489." "E por que parou neste número," perguntou ela. "Porque a missa acabou."


A igreja pode não ser tão interessante e excitante como um jogo de futebol ou um filme cheio de ação, mas é onde Deus pode ser buscado por todos aqueles que, desesperançados, sentem necessidade de encontrá-lo.


Que valor temos dado às nossas igrejas? O que ela tem representado para nossa formação e edificação cristã? Temos colaborado para que ela seja uma fonte de bênçãos para os sedentos de uma nova vida e para os que, perdidos e desesperados a procurem como um último refúgio?


Algumas vezes a achamos monótona e repetitiva. Outras um local sem atrativos e cheio de defeitos. Uns dias a achamos fria e outros exageradamente quente, e esquecemos que foi ali, naquela congregação de imperfeitos, que Deus perdoou os nossos pecados, transformou nossos corações e nos encheu da verdadeira e eterna felicidade.


Que em nossos momentos de intimidade com deus saibamos dar graças ao Senhor por nossas igrejas. Orar e interceder
por nossos sacerdotes, líderes e, acima de tudo, oferecer-nos
para ser um instrumento de amor nas mãos de Cristo, prontos abraçar a todos que pelas portas entrarem, em busca da vida abundante que o Senhor já nos deu.


A sua igreja será sempre uma bênção se você, ali, for uma
bênção na presença do Senhor!

Deus te abençoe!

quarta-feira, 26 de março de 2014

10 Sugestões de Santo Antônio para fazer penitência pelos pecados


Um breve guia para a quaresma
Santo Antônio, tão querido pelos brasileiros, é um nome muito adequado para a quaresma, já que, como todos os santos franciscanos, sempre dedicados à conversão e à penitência, ele nos sugere pelo menos 10 formas de realizar algum exercício penitencial.
A “disciplina de mortificação”, apesar de cansativa, não precisa ser chata! Os santos também podem nos ajudar a escolher uma forma adequada de nos prepararmos para a Páscoa, ou de perceber que as coisas que já fazemos têm valor se as oferecermos com intenção de reparação pelos pecados:
1. Renúncia à própria vontade;
2. Abstinência de comida e bebida;
3. Rigor do silêncio;
4. Vigílias de oração durante a noite;
5. Derramamento de lágrimas;
6. Dedicação de tempo à leitura;
7. Trabalho físico exigente;
8. Ajudar generosamente os outros;
9. Vestir-se modestamente;
10. Desprezar a própria vaidade.
            
Estas sugestões de Santo Antônio de Pádua vêm do seu Sermão do Domingo de Pentecostes, 1§7

fonte: defensoresdaigrejade2000anos

terça-feira, 25 de março de 2014

Novena em honra a sacro-santa gestação da Santíssima e Bem-Aventurada sempre virgem Maria

Fazer a oração abaixo todos os dias 25- a partir do mês de março durante os nove meses de “gestação” da Virgem Maria:

Oh! Virgem Santa Imaculada, sem mancha, Vós preparastes em vosso seio virginal a morada do Filho de Deus. Eu me envergonho de aparecer diante de Vós. Desejo que o Filho de Deus, o qual quis nascer de Vós, renasça espiritualmente em mim e me conceda esta graça de que tanto necessito (dizer a graça).

Prostro-me a vossos pés, oh, Santa Mãe de Deus e debaixo do vosso olhar terno, doce e puro, das vossas mãos benditas e de vosso manto sagrado, eu vos louvo e bendigo, e entrego a minha vida: Reverencio-Vos por todas as horas dizendo: Bendita seja, oh, Imaculada Conceição da Bem-Aventurada sempre Virgem Maria, Santa Mãe de Deus. Amém.

Reza-se 23 Ave-Marias e 24 jaculatórias como esta:
Bendita seja a Santa Imaculada Conceição da Bem-Aventurada sempre Virgem Maria, Santa Mãe de Deus. Amém.

http://aformacaodamocacatolica.wordpress.com/author/aformacaodamocacatolica/

quinta-feira, 20 de março de 2014

O que eu fiz para merecer isso?

Não perca o foco, siga em frente o seu caminho independente das dificuldades...
Às vezes nos perguntamos: "O que eu fiz pra merecer isso?", ou "Por que Deus tinha que fazer isso justo comigo?". Aqui vai uma belíssima explicação.


A filha dizia a sua mãe como tudo ia errado: não se saiu bem na prova de Matemática, o namorado resolveu terminar com ela e a sua melhor amiga estava de mudança para outra cidade. 
Enquanto isso, sua mãe preparava um bolo e perguntou se a filha gostaria de um pedaço, e ela disse: 
- É claro mãe, eu adoro os seus bolos. 
- Toma, um pouco de óleo de cozinha. 
- Credo! 
- Que tal então comer uns ovos crus? 
- Que nojo, Mãe! 
- Quer então um pouquinho de Farinha de Trigo ou Bicarbonato de Sódio? 
- Mãe, isso não presta! 
A mãe então respondeu: 
- É verdade, todas essas coisas parecem ruins sozinhas, mas quando as colocamos juntas, na medida certa, elas fazem um bolo delicioso! Deus trabalha do mesmo jeito. Às vezes a gente se pergunta por que Ele quis que nós passássemos por momentos difíceis, mas Deus, quando Ele põe todas essas coisas na ordem exata, elas sempre nos farão bem. A gente só precisa confiar n'Ele e todas essas coisas ruins se tornarão algo fantástico! 
Deus é louco por você. Ele te manda flores em todas as primaveras e o nascer do sol todas as manhãs. Sempre que você quiser conversar, Ele vai te ouvir. Ele pode viver em qualquer lugar do universo e Ele escolheu o seu coração.

Deus te abençoe!

Sede de Deus

Um homem, conhecido como alguém que tinha uma vida inteiramente consagrada a Deus, estava sentado às margens de um rio. Um pequeno menino, aproximando-se dele, perguntou:"O senhor me ensina a orar?" "Você tem certeza de que quer aprender a orar?", perguntou o homem. "Sim, eu tenho," respondeu prontamente o menino. Ao ouvir a resposta, o homem agarrou o menino pelo pescoço e mergulhou sua cabeça na água e ali a deixou enquanto o garoto se debatia e fazia força para escapar.
Depois de um período que parecia interminável para o menino, ele retirou sua cabeça da água. "Por que fez isso," perguntou o menino, falando com dificuldade. "Essa foi sua primeira lição no aprendizado da oração. Quando você tiver tanta ansiedade por Deus como teve para se salvar, então poderá começar a orar."
O que temos entendido por oração? Ou melhor, como tem sido a nossa vida de oração? Será que chamamos falar com Deus um pequeno momento de palavras decoradas, ou uma rotina de palavras quando acordamos, ou vamos fazer as refeições ou mesmo quando vamos dormir?
Será que nossas orações se limitam a "pedir"favores e benesses sem que demonstremos ao Senhor o quanto Ele é importante em tudo que fazemos ou pretendemos fazer?
Quantas vezes, em toda a nossa vida, nos curvamos diante do Pai celeste simplesmente para dizer: "Senhor eu te agradeço por tudo que és para mim e por tudo que tens feito em minha vida. Eu não saberia dar um só passo ou pronunciar uma palavra sequer se tu não estivesses comigo!"
Quantas vezes derramamos nossas lágrimas diante dele, a sós em nosso quarto, apenas pelo que Ele significa para nós, sem lhe pedirmos coisa alguma?
Se tivermos sede de Deus, aprenderemos a trilhar os caminhos da oração!
Deus te abençoe!

quarta-feira, 19 de março de 2014

APRENDENDO A SER CATÓLICA: III Campanha Nacional de Consagrações à Virgem Mar...

APRENDENDO A SER CATÓLICA: III Campanha Nacional de Consagrações à Virgem Mar...: “Apareceu no céu um Grande Sinal: uma Mulher Vestida de Sol, a lua debaixo dos Seus Pés, e na Cabeça, uma coroa de Doze Estrelas. (…)...

São José


Celebra-se hoje, 19 de março, a Solenidade de São José. Neste dia, a Igreja, espalhada pelo mundo todo, recorda solenemente a santidade de vida do seu patrono.

Esposo da Virgem Maria, modelo de pai e esposo, protetor da Sagrada Família, São José foi escolhido por Deus para ser o patrono de toda a Igreja de Cristo.

Seu nome, em hebraico, significa "Deus cumula de bens".

No Evangelho de São Mateus vemos como foi dramático para esse grande homem de Deus acolher, misteriosa, dócil e obedientemente, a mais suprema das escolhas: ser pai adotivo de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Messias, o Salvador do mundo.

"Quando acordou, José fez conforme o anjo do Senhor tinha mandado e acolheu sua esposa" (Mt 1,24).

O Verbo Divino quis viver em família. Hoje, deparamos com o testemunho de José, "Deus cumula de bens"; mas, para que este bem maior penetrasse na sua vida e história, ele precisou renunciar a si mesmo e, na fé, obedecer a Deus acolhendo a Virgem Maria.

Da mesma forma, hoje São José acolhe a Igreja, da qual é o patrono. E é grande intercessor de todos nós.

Que assim como ele, possamos ser dóceis à Palavra e à vontade do Senhor.

São José, rogai por nós!

Reconhecendo o pecado

Um evangelista anunciava, com eloquência e poder, o nome  de Jesus em uma grande  igreja. 
Após  sua  pregação,  convidou àqueles que ainda não haviam  tido  uma  experiência  com  o Salvador para virem até a frente.
Chamou dentre eles, então, para subir  ao  altar,  uma  senhora  muito  bem  vestida  e pediu-lhe que repetisse a oração que iria fazer. Tomando sua mão, o evangelista começou a orar: "Senhor querido,  eu  sei
que sou um pecador. Sei que não posso salvar  a  mim  mesmo. Preciso de perdão para meus terríveis  pecados.  Por  favor,
Jesus, aceite a minha vida."
Porém, durante toda a oração  a senhora ficou em completo silêncio, não repetindo uma só  de suas palavras. O pregador perguntou à mulher: "Você não quer ser salva?" "Sim, eu quero," respondeu a mulher, "mas eu não sou uma pecadora." "Então você não pode  ser  salva,"  disse
ele. "Jesus morreu apenas pelos pecadores." "Mas,  eu sou uma boa pecadora !"

Muitos  de  nós  usamos  a  mesma  desculpa  quando    somos convidados a entregar o coração  a  Jesus  para  obtermos  o perdão dos pecados e a vida eterna com o  Salvador.  Dizemos que não somos pecadores, que nunca matamos  ninguém,  jamais roubamos coisa alguma e que só temos feito  o  bem  para  as pessoas.

É exatamente isso que o adversário de Deus  tenta  fazer-nos pensar. Convencidos de que somos bonzinhos, que  nada  temos de que nos arrepender, trataremos o assunto  "salvação"  com
indiferença e deixaremos de aceitar o  sacrifício  de  Jesus pelos nossos pecados. Se achamos que  não  somos  pecadores,
não buscamos o perdão. Se não buscamos o perdão,  não  somos salvos.

Que possamos compreender que somos,  sim,  pecadores  e  que precisamos de Cristo para a  nossa  redenção.  Ele  pagou  o preço  do  nosso  pecado  e  concedeu-nos  o  direito    de, arrependidos, sermos salvos e herdeiros do céu de glória.

Você é um pecador? Jesus é o Salvador!

Deus está falando!

Um homem sussurrou: Deus fale comigo.
E um rouxinol começou a cantar, mas o homem não ouviu.
Então o homem repetiu: Deus fale comigo!
E um trovão ecoou nos céus, mas o homem foi incapaz de ouvir.
O Homem olhou em volta e disse: Deus deixe-me vê-lo.
E uma estrela brilhou no céu, mas o homem não a notou.
O homem começou a gritar: Deus mostre-me um milagre.
E uma criança nasceu, mas o homem não sentiu o pulsar da vida.
Então o homem começou a chorar e a se desesperar:
Deus toque-me e deixe-me sentir que você está aqui comigo...
E uma borboleta pousou suavemente em seu ombro.
O homem espantou a borboleta com a mão e desiludido.
Continuou o seu caminho triste, sozinho e com medo
Até quando teremos que sofrer para compreendermos que Deus está sempre aonde está a vida?
Até quando manteremos nossos olhos e nossos corações fechados para o milagre da vida que se apresentas diante de nós em todos os momentos?"

Oração de Março

Senhor, à semelhança de São José, teu servo e nosso irmão, quero estar sempre à tua disposição para servir-te com amor e alegria, fazendo a tua vontade, percorrendo corajosamente teus caminhos, atendendo todos os teus desejos e executando todos os teus planos.
Senhor, quero pegar na tua mão que sempre estendes para mim; ser dócil para deixar-me conduzir, sem saber para onde eu vou, sempre na certeza de estar no caminho certo. Como São José o foi, eu quero ser teu servo, fiel em todos os momentos da minha vida. Amém.
Amém!

quinta-feira, 13 de março de 2014

Mãe Imaculada...

Ato de confiança e consagração dos sacerdotes à Santíssima Virgem,segundo a fórmula usada por Bento XVI na conclusão do Ano Sacerdotal.
 Mãe Imaculada,
neste lugar de graça,
convocados pelo amor do vosso Filho Jesus,
Sumo e Eterno Sacerdote, nós,
filhos no Filho e seus sacerdotes,
consagramo-nos ao vosso Coração materno,
para cumprirmos fielmente a Vontade do Pai.
Estamos cientes de que, sem Jesus,
nada de bom podemos fazer (cf. Jo 15, 5)
e de que, só por Ele, com Ele e n’Ele,
seremos para o mundo
instrumentos de salvação.
Esposa do Espírito Santo,
alcançai-nos o dom inestimável
da transformação em Cristo.
Com a mesma força do Espírito que,
estendendo sobre Vós a sua sombra,
Vos tornou Mãe do Salvador,
ajudai-nos para que Cristo, vosso Filho,
nasça em nós também.
E assim possa a Igreja
ser renovada por santos sacerdotes,
transfigurados pela graça d’Aquele
que faz novas todas as coisas.
Mãe de Misericórdia,
foi o vosso Filho Jesus que nos chamou
para nos tornarmos como Ele:
luz do mundo e sal da terra
(cf. Mt 5, 13-14).
Ajudai-nos,
com a vossa poderosa intercessão,
a não esmorecer nesta sublime vocação,
nem ceder aos nossos egoísmos,
às lisonjas do mundo
e às sugestões do Maligno.
Preservai-nos com a vossa pureza,
resguardai-nos com a vossa humildade
e envolvei-nos com o vosso amor materno,
que se reflecte em tantas almas
que Vos são consagradas
e se tornaram para nós
verdadeiras mães espirituais.
Mãe da Igreja,
nós, sacerdotes,
queremos ser pastores
que não se apascentam a si mesmos,
mas se oferecem a Deus pelos irmãos,
nisto mesmo encontrando a sua felicidade.
Queremos,
não só por palavras mas com a própria vida,
repetir humildemente, dia após dia,
o nosso « eis-me aqui».
Guiados por Vós,
queremos ser Apóstolos
da Misericórdia Divina,
felizes por celebrar cada dia
o Santo Sacrifício do Altar
e oferecer a quantos no-lo peçam
o sacramento da Reconciliação.
Advogada e Medianeira da graça,
Vós que estais totalmente imersa
na única mediação universal de Cristo,
solicitai a Deus, para nós,
um coração completamente renovado,
que ame a Deus com todas as suas forças
e sirva a humanidade como o fizestes Vós.
Repeti ao Senhor aquela
vossa palavra eficaz:
« não têm vinho » (Jo 2, 3),
para que o Pai e o Filho derramem sobre nós,
como que numa nova efusão,
o Espírito Santo.
Cheio de enlevo e gratidão
pela vossa contínua presença no meio de nós,
em nome de todos os sacerdotes quero,
também eu, exclamar:
« Donde me é dado que venha ter comigo
a Mãe do meu Senhor?» (Lc 1, 43).
Mãe nossa desde sempre,
não Vos canseis de nos visitar,
consolar, amparar.
Vinde em nosso socorro
e livrai-nos de todo o perigo
que grava sobre nós.
Com este acto de entrega e consagração,
queremos acolher-Vos de modo
mais profundo e radical,
para sempre e totalmente,
na nossa vida humana e sacerdotal.
Que a vossa presença faça reflorescer o deserto
das nossas solidões e brilhar o sol
sobre as nossas trevas,
faça voltar a calma depois da tempestade,
para que todo o homem veja a salvação
do Senhor,
que tem o nome e o rosto de Jesus,
reflectida nos nossos corações,
para sempre unidos ao vosso! Assim seja!

quarta-feira, 12 de março de 2014

São José, um homem sem igual


O contrato matrimonial deveria ser acertado entre as duas famílias.

Um ponto ao qual se costumava dar escrupulosa importância, sobretudo entre pessoas de nobre origem, era a igualdade de condições. Tanto Maria quanto José eram da tribo de Judá e descendentes de Davi. Mais, porém, do que qualquer requisito social, sobre aquele matrimônio pairava, desde toda a eternidade, um desígnio divino. Para a realização da vontade do Altíssimo, deveria o esposo ser proporcionado à esposa, o pai ao filho, a fim de sustentar com toda dignidade a honra de ser pai adotivo de Deus. E houve só um homem criado e preparado para essa missão, inteiramente à altura de exercê-la: São José. Ele estava na proporção de Jesus Cristo e de Maria Santíssima.

Matrimônio de Nossa Senhora
e São José

 Para fazermos uma idéia exata da magnitude de sua personalidade, devemos imaginá-lo como sendo uma versão masculina de Nossa Senhora, o homem dotado de sabedoria, força e pureza bastantes para governar as duas criaturas mais excelsas saídas das mãos de Deus: a Humanidade santíssima de Nosso Senhor e a Rainha dos anjos e dos homens.

Em Israel os esponsais equivaliam juridicamente ao casamento de hoje.

A partir dessa cerimônia - na qual o noivo colocava um anel de ouro no dedo de sua prometida, dizendo: “Este é o anel pelo qual tu te unes a mim diante de Deus, segundo o rito de Moisés” - ambos passavam a pertencer de forma irrevogável um ao outro e a partir de então se consideravam esposos. Contudo, a coabitação era em geral adiada pelo prazo de um ano, para dar tempo à esposa de completar o enxoval e ao marido de preparar a casa. Maria e José, fiéis cumpridores da Lei, ativeram-se a todas essas formalidades.

Mas um segredo Divino envolvia seu caso concreto, do qual certamente nenhuma das testemunhas do acontecimento - parentes e amigos - chegou a suspeitar. Ali estavam “duas almas virgens que se prometiam mútua fidelidade, uma fidelidade que consistiria em guardarem ambos a virgindade” (2).

Quanto mais uma pessoa sofre, mais é digna de amor

Nesse intervalo entre os esponsais e as bodas, Maria recebeu a embaixada do Arcanjo Gabriel. O Evangelho de Mateus deixa-o bem claro ao afirmar: “Antes de coabitarem, aconteceu que Ela concebeu por virtude do Espírito Santo” (Mt 1, 18). Supérfluo seria nos estendermos aqui sobre os detalhes da Anunciação e da Encarnação do Verbo, já tão conhecidos e tantas vezes comentados.

Um ponto apenas é preciso deixar bem claro: poucos dias depois desse acontecimento, Maria dirigiu-se apressadamente para o pequeno povoado das montanhas da Judéia onde habitavam seus primos, Zacarias e Isabel.

Boa parte dos comentaristas defende a idéia de que José acompanhou sua esposa na viagem de ida e, transcorridos três meses, foi buscá-La. Tal opinião parece bem fundada, pois a juventude de Maria e as dificuldades de um penoso percurso eram razões de sobra para mover a solicitude de um esposo fiel e zeloso, como era o seu.

Depois do regresso a Nazaré, não tardou ele a perceber os primeiros sinais da gravidez de sua desposada. No começo, relutou em acreditar, julgando-se vítima de uma alucinação.

Passados, porém, alguns dias, não pôde mais duvidar da realidade patente ante seus olhos: Maria trazia uma criança em seu seio.

Nesse momento eclodiu, como violento turbilhão, o drama na vida de São José. Talvez a provação mais terrível que uma mera criatura humana - fazendo abstração da Santíssima Virgem ao longo da Paixão - jamais tenha enfrentado. Essa era, entretanto, a divina vontade do Menino que Se formava nas puríssimas entranhas de Maria. Desejava Ele que seu nascimento viesse com o selo indelével da dor santamente aceita, para dar-nos a lição de que quanto mais uma pessoa sofre, tanto mais é digna de amor. O pai adotivo que escolhera como imagem de seu Pai Celestial, Ele o submetia a uma dura prova, dando-lhe oportunidade de levar seu heroísmo a alturas inimagináveis. Ao mesmo tempo, aparecia com maior esplendor a virgindade de Nossa Senhora.

O herói da fé

A perplexidade de José não consistia, como pensaram alguns Padres antigos, em duvidar da fidelidade de sua esposa. Tal hipótese contunde a nossa piedade, pois desmerece a perfeição eminente alcançada pelo santo Patriarca e, ademais, Deus não permitiria que a honra virginal de Maria pudesse ser ferida por uma suspeita no espírito de José. O texto do Auctor imperfecti exprime com belíssimas palavras a postura dele diante do fato: “Ó inestimável louvor de Maria! São José acreditava mais na castidade de sua esposa do que naquilo que seus olhos viam, mais na graça do que na natureza. Via claramente que sua esposa era mãe e não podia acreditar que fosse adúltera; acreditou que era mais possível uma mulher conceber sem varão do que Maria poder pecar” (3).

Sua angústia tornava-se tanto mais lancinante quanto mais via resplandecer a virtude no rosto angelical de Maria. Por um lado, a evidência saltava- lhe aos olhos, por outro, considerava fora de cogitação a possibilidade de aquela criatura tão inocente ter cometido um pecado. Ora, se a concepção de Maria era obra sobrenatural o que fazia ele ali? Não estaria ofendendo a Deus, intrometendo- se num mistério para ele incompreensível, o qual se lhe afigurava como absolutamente divino? Não seria ele um intruso, atrapalhando os planos do Altíssimo? José não julgou. Suspendeu o juízo da carne ante os inescrutáveis desígnios de Deus. Subjugou a razão humana à fé inabalável e procurou uma saída para o caso, pois, como resume São Tomás. Desde o princípio descartou a hipótese de denunciá-La, como o exigia o Deuteronômio, segundo o qual a mulher deveria sofrer a pena de lapidação. Estava convicto da inocência de Maria e estremecia diante dessa idéia.

Jamais houve em São José dúvida
quanto à santidade de Maria

Existia também a opção do repúdio: a Lei de Moisés permitia ao homem despedir sua mulher, dando-lhe o libelo de divórcio. Mas essa possibilidade repugnava-lhe igualmente, porque atentaria contra a reputação da Santa Virgem. Numa pequena aldeia, onde todos os habitantes se conheciam, tal atitude daria margem a suspeitas sobre o comportamento de Maria: por qual motivo o marido A teria afastado de repente? No futuro, a Virgem traria sempre a marca de uma mulher rejeitada.

A solução encontrada por José não se achava nos livros da Lei, mas partiu de seu coração: “Resolveu deixá- La secretamente” (Mt 1, 19). Agindo assim, salvaguardava a fama de sua esposa, pois Ela seria vista como uma pobre jovem abandonada pela crueldade de um homem sem palavra. A culpa recairia toda sobre ele. Nesse passo de sua vida, José revelou o brilho alcandorado de sua nobre alma, sua sabedoria e sua humildade levadas ao grau heroico.

Com efeito, a ele poderíamos aplicar estas belas palavras de um autor francês: “O herói é um grande coração que se ignora, uma grande alma que se esquece de si mesma. (…) Todas as fraquezas de nossa pobre natureza humana estão concentradas em torno desse egoísmo que faz de cada um de nós o centro do Universo. O herói é aquele que rompeu esse círculo estreito onde todas as naturezas, até mesmo as mais dotadas, vegetam ou se estiolam. Esse “eu” que em alguns é rei, nele, durante toda sua vida, permanece escravo” (4).

Esqueceu-se completamente de si, preferindo desacreditar-se diante da opinião pública, a ver o prestígio de Maria manchado. Além do mais, renunciava também à sua própria felicidade: tinha de abandonar Nossa Senhora, o maior tesouro da terra. Isso era um sofrimento imenso, pois para ele o convívio com Maria significava um verdadeiro Paraíso.

D’Ela aprendera, nos seus gestos mais simples, lições excelsas de sabedoria e de bondade; ao contemplá-La, sentia-se mais próximo de Deus. E via-se agora obrigado a sacrificar aquilo que mais apreciava em sua vida! Passaria seus dias longe, venerando um mistério que não entendera.

Durante alguns dias, José maturou sua resolução, decidido a pô-la em prática. Numa noite enevoada e sem lua encontrou ocasião propícia, preparou seus pobres pertences e deitou-se para refazer as forças antes da partida. Pouco a pouco, por uma ação angélica, seu coração aflito serenou e ele adormeceu profundamente.

Como outrora com Abraão, o Senhor esperara até o último instante para deter o golpe fatal. No meio da noite apareceu-lhe um anjo, anunciando: “José, filho de Davi, não temas receber Maria por esposa, pois o que n’Ela foi concebido vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus, porque Ele salvará o seu povo de seus pecados” (Mt 1, 20-21).


soutodoteumariatuestodaminha

terça-feira, 11 de março de 2014

A Imagem e as previsões de Nossa Senhora do Bom Sucesso



Há mais de 400 anos, no Equador, a Virgem Santíssima anunciou:
"Eu serei especialmente conhecida no século XX"
Diogo Waki



Ainda pouco conhecida no Brasil, comemora-se a 2 de fevereiro uma invocação das mais insignes da mariologia.
O homem moderno está acostumado a acreditar apenas naquilo que vê, e habituado a considerar as pessoas não pelo que são, mas por aquilo que fazem. Para ele talvez seja difícil entender a exaltação da vida apagada de clausura, de sacrifícios e orações, na qual muitas vezes a Providência faz suas maiores revelações
Madre Mariana de Jesus Torres, uma das
fundadoras do Mosteiro Real da Imaculada Conceição de Quito, foi uma grande mística que abraçou o estado de perfeição evangélica conforme o ensinamento do próprio Nosso Senhor Jesus Cristo e o levou a grau de heroicidade. Deus a escolheu para ser depositária de uma série de revelações a propósito do século em que viveu e também dos futuros. Foi a ela que Nossa Senhora apareceu ordenando que mandasse esculpir uma imagem sob a invocação de Nossa Senhora do Bom Sucesso.
Nascida na Espanha, na Província de Viscaya, no ano do Senhor de 1563, Mariana bem cedo sentiu a vocação religiosa. Aos 13 anos de idade, com permisão do Rei Filipe II, abandonou seu país, juntamente com sua tia, Madre Maria de Jesus Talvada, e partiu para Quito, cidade situada em terras de colonização espanhola na América do Sul, a fim de ali estabelecer o primeiro mosteiro nas Américas em honra da Imaculada Conceição.
A Europa estava conturbada por diversas questões político-religiosas e a Igreja Católica havia perdido influência em vários países. Em conseqüência, pessoas, grupos ou até mesmo nações inteiras abandonaram o seio bendito da Santa Igreja.
Para compensar a perda nas metrópoles, a Providência suscitou pessoas que, abandonando tudo em seus países de origem, se sentiam chamadas a conquistar almas para a Igreja nas colônias, junto a povos pagãos. Assim, enquanto São Francisco Xavier atuava na Gndia e no Japão, o Bem-aventurado Padre José de Anchieta evangelizava o Brasil etc.
Foi movido por esse mesmo espírito que, em 1576, atendendo a pedidos insistentes de influentes famílias da cidade de Quito, o rei de Espanha enviou para o Equador um grupo de freiras da Ordem das Concepcionistas, fundada, algumas décadas antes, por uma religiosa portuguesa, Santa Beatriz da Silva.
A serpente infernal tenta esmagar a obra no seu nascedouro
Entre os atributos santíssimos de Nossa Senhora, um dos que mais provoca a indignação e o ódio de Lúcifer e seus sequazes é, certamente, a Imaculada Conceição. Nossa Senhora, escolhida para ser Mãe do Divino Salvador, concebida sem pecado original, co-redentora e medianeira universal de todos os dons divinos, foi fiel a todas as graças desde o primeiro instante de sua concepção e, em nenhum momento, foi escrava do demônio, tendo sido elevada aos Céus e coroada como Rainha dos Céus e da Terra.
As potestades infernais não poderiam ficar satisfeitas com a extensão da devoção à Imaculada Conceição por toda a Terra. Não espanta, assim, que uma terrível tempestade tenha ameaçado naufragar a embarcação em que viajavam as religiosas espanholas. Em meio à tormenta, Madre Maria e a menina viram no mar uma serpente monstruosa de sete cabeças, que movimentando as ondas ameaçava destroçar a frágil embarcação.
A menina deu um grito e caiu desfalecida. Sua tia, Madre Maria, pediu a Deus que as salvassem naquele grande perigo. Terminada esta oração, a tempestade milagrosamente cessou, o dia clareou e ouviram o clamor de terrível voz, dizendo: "Não permitirei a fundação; não permitirei que progrida; não permitirei que se conserve até o fim dos tempos e a todo momento a perseguirei".
Fundação do mosteiro
No dia 13 de janeiro de 1577, na fundação do Real Mosteiro da Imaculada Conceição, professaram as sete religiosas fundadoras, nas mãos de um sacerdote franciscano. Mariana de Jesus não pode participar da cerimônia por ter apenas treze anos.
É nesse local bendito que, durante 59 anos, Dar-se-á a longa Via Crucis desta grande mística, crescida à sombra da Cruz e transformada em vítima expiatória da justiça divina.
Deus permitirá que fosse muito tentada pelo demônio.
Às vezes ele se apresentava em forma de uma enorme serpente que a rondava de dia e de noite; outras vezes, insuflava o ódio de freiras inobservantes, vendo-a tão severa para consigo mesma e tão exigente no cumprimento da regra de São Francisco, nas diversas vezes em que foi eleita priora. Em conseqüência desse ódio chegou a ser injustamente encarcerada na prisão do convento.
Aparições de Nossa Senhora do Bom Sucesso

A esta alma -- esculpida por longos anos de penitências, orações e sacrifícios -- Nossa Senhora apareceu diversas vezes sob a invocação do Bom Sucesso.
O Mosteiro da Imaculada Conceição sempre estivera sob a assistência religiosa dos Frades Franciscanos. No entanto, algumas freiras relapsas quanto à Regra não aceitando a influência franciscana, urdiram uma conspiração e conseguiram de Roma que o Convento ficasse sob a tutela do Bispo local.
Vendo o abandono em que ficaram as religiosas fiéis e o risco de extinção do Mosteiro, Nossa Senhora apareceu à Madre Mariana de Jesus Torres:
"É vontade de meu Filho Santíssimo que tu mesma mandes executar uma estátua minha, tal como me vês e a coloques sobre a cátedra da Priora. Colocareis em minha mão direita o báculo e as chaves da clausura, em sinal de minha propriedade e autoridade. Colocarás em minha mão esquerda o meu Divino Filho. Eu mesma governarei este meu Convento".
Mariana hesitou. Como dar cabo àquela tão difícil tarefa? Em primeiro lugar, como conseguir a autorização do Bispo? Depois, como conseguir os recursos, e qual escultor seria capaz de esculpir a imagem?
- Senhora, insistiu a religiosa - como realizar tudo isto se nem mesmo sei qual a sua estatura exata?
- Dê-me o cordão franciscano que trazes na cintura - disse-lhe a Virgem.
Neste momento os três Arcanjos, São Miguel, São Rafael e São Gabriel, que A assistiam, fizeram uma profunda reverência diante de Nossa Senhora e com enorme respeito ergueram a coroa. Ela, então, tomou o cordão e colocou uma das extremidades sobre sua cabeça e ordenou que Madre Mariana tocasse com a outra nos seus pés. Ora, como o cordão era muito curto, houve um milagre e ele esticou-se até alcançar a altura exata da Virgem.
"Aqui tens minha filha, a medida de tua Mãe do Céu, entrega-a a meu servo Francisco del Castillo, explicando-lhe minhas feições e minha postura: ele trabalhará exteriormente minha imagem porque tem consciência delicada e observa escrupulosamente os mandamentos de Deus e da Igreja. Nenhum outro será digno desta graça. Tu, de tua parte, ajuda-o com tuas orações e com teu humilde sofrimento".
Cheia de encanto a Madre tomou aquela preciosíssima relíquia e durante toda a vida a levou consigo.
Nossa Senhora prevê o futuro do Equador e a morte do Bispo
Nas aparições seguintes Nossa Senhora do Bom Sucesso voltou a insistir para que a Madre mandasse executar, o quanto antes, a imagem, repreendendo-a por sua demora. Para convencê-la profetizou o futuro do Equador, do Bispo e outros acontecimentos já realizados como as proclamações dos dogmas da infalibilidade papal e da Imaculada Conceição.
- "Minha Filha muito amada, porque és lenta e pesada de coração? Quantos crimes ocultos se cometem nesta população e nas vizinhas! Precisamente por esse motivo se fundou o Convento neste local, a fim de que Deus fosse desagravado no mesmo lugar em que Ele é ofendido e desconhecido; e por essa razão o demônio, inimigo de Deus e dos justos, tanto agora como nos séculos futuros porá em jogo toda a sua maliciosa astúcia para acabar com este Convento.
Em seguida, Nossa Senhora revelou a Madre Mariana de Jesus que aquela Colônia tornar-se-ia independente sob o nome de Equador. Profetizou também que, "no século XIX, virá um presidente verdadeiramente cristão, varão de caráter a quem Deus Nosso Senhor dará a palma do martírio na praça onde está este meu Convento. (ver quadro -- Modelo de Estadista católico) Ele consagrará esta Pátria ao Divino Coração de Meu Filho Santíssimo, e esta consagração sustentará a Religião Católica nos anos posteriores, os quais serão terríveis para a Igreja".
"Hoje mesmo, quando amanhecer, irás ter com o Bispo e lhe dirás que eu mandei esculpir minha Imagem para ser colocada à testa de minha Comunidade, a fim de tomar posse completa daquilo que, a tantos títulos, me pertence. E, como prova da veracidade do que lhe dirás, morrerá ele dentro de dois anos e dois meses, devendo desde já preparar-se para o dia da eternidade, porque a sua morte será violenta".
"Ele deverá consagrar minha Imagem com os Santos sleos, e pôr-lhe-á o nome de Maria do Bom Sucesso da Purificação ou Candelária. Nessa ocasião solene, ele mesmo colocará na mão direita de minha Imagem, junto com o báculo, as chaves desta clausura, como prova de que entrega a Mim o governo das esposas de meu Filho Santíssimo, transferindo todos os seus cuidados para minha maternal e amorosa proteção.
"Então, nesse momento, Eu tomarei posse completa desta minha casa, e obrigar-Me-ei a guardá-la ilesa e livre de todo atropelo até o fim dos tempos, exigindo de minhas filhas contínuo espírito de caridade e sacrifício".
Como se realizou o desejo de Nossa Senhora

Depois de muito hesitar, Madre Mariana acabou falando com Dom Salvador Ribera. O Bispo imediatamente concordou:
-"Madre, por que Vossa Reverência não me chamou antes? É Deus quem assim dispõe e não devemos ficar surdos à sua voz e aos seus apelos. Ele é livre para pedir às suas criaturas o que lhe aprouver".
Desta maneira foram feitas as chaves de prata. O Cabido encarregou-se da coroa de ouro e o báculo a cargo da Marquesa Maria de Iolanda, parente do Rei de Espanha.
Quando a marquesa soube que lhe era pedido oferecer o báculo de Nossa Senhora, respondeu agradecida:
"Madre, teria ficado muito ressentida se Vossa Reverência não me tivesse avisado primeiro. Agradeço a sua atenção e carinho e digo que não consentirei em absoluto que ninguém mais contribua para o báculo da Imagem de minha celeste Mãe e Senhora. Fornecerei todo o material e a mão de obra. Tenho o suficiente para isto e ainda que não o tivesse, venderia meus haveres para consegui-lo. Peço me indique como quer que se faça e nada mais. Eu me encarregarei de todo o resto".
Francisco del Castillo, por sua vez, disse que se sentia indigno de ser o escultor de tão insigne imagem, mas que o faria da melhor maneira possível. Perguntado em quanto sairia o trabalho, respondeu que não cobraria nada e que se dava por muito bem pago por ter sido escolhido para tão sublime missão.
Confessou-se, comungou e no dia 15 de setembro de 1.610 iniciou a tão esperada obra. Trabalhou longos dias a fio, sempre sob a orientação de Madre Mariana de Jesus Torres. Quando faltavam apenas alguns retoques finais, viu-se que a imagem, ainda que satisfatória, nem de longe representava o que a Madre havia presenciado. Francisco então saiu em viagem à procura de tintas para concluir o trabalho.
Como a Madre Mariana descreve o milagre
"Na oração da Comunidade da tarde do dia 15, Deus preveniu-me que, na madrugada do dia 16, eu presenciaria suas misericórdias em favor de nosso Convento e do povo em geral. Pediu que me preparasse para receber essas graças com penitência e orações noturnas.
Assim o fiz. Os Arcanjos São Miguel, São Gabriel e São Rafael dirigiram-se para o trono da Rainha dos Céus.
São Miguel, saudando-A submisso, disse:
- "Maria Santíssima, Filha de Deus Pai".
E São Gabriel acrescentou:
- "Maria Santíssima, Mãe de Deus Filho".
E São Rafael concluiu:
- "Maria Santíssima, Esposa Puríssima do Espírito Santo".
"Em seguida chamaram a milícia celeste e cantaram todos juntos: Maria Santíssima, Templo Sacrário da Santíssima Trindade".
"Nisto apareceu S. Francisco de Assis, acompanhado pelos três Arcanjos e seguidos da milícia celeste. Aproximaram-se então da Imagem semiconcluída e, num instante, a refizeram.
"Entrementes, a Imagem estava totalmente iluminada como se estivesse no meio do sol. A Santíssima Trindade olhava comprazida e os anjos cantavam o "Salve Sancta Parens".
"A Rainha dos Anjos, no meio de todas essas alegrias, aproximou-se da Imagem e nela penetrou, à maneira de raios do sol que incidem em formosos cristais. Naquele momento a Imagem ficou resplandescente, como se adquirisse vida e cantou com celeste harmonia o "Magnificat"! Isto aconteceu às três horas da manhã".
"Essa obra não é minha"
No dia seguinte, como era esperado, Francisco, o escultor, chegou de viagem com as tintas. Quando viu a imagem assim concluída caiu de joelhos e exclamou:
"Madres, que vejo? Esta primorosa Imagem não é obra minha! Não sei o que sente o meu coração: mas é obra angélica, pois um trabalho desse gênero não se pode produzir na terra com mão de frágil barro. Oh não! Escultor algum, por hábil que seja, poderá jamais imitar sequer tanta perfeição e tão maravilhosa beleza".
Levantando-se em seguida, pediu papel e tinta para lavrar um documento, jurando que aquela bendita Imagem não fora obra sua, mas de anjos, porque a encontrara acabada de outra maneira, que não aquela deixada no coro superior do Mosteiro da Imaculada Conceição, seis dias antes.
Fátima confirma Bom Sucesso
O que impressiona nas revelações de Nossa Senhora do Bom Sucesso é a previsão de fatos que se cumpriram nos séculos seguintes entre os quais cumpre destacar a descrição da crise e dos castigos previstos em Fátima para os nossos dias.
Modelo de estadista católico
No dia 6 de agosto de 1875, primeira sexta-feira do mês, depois de comungar na Igreja de São Domingo, e de dar, no gabinete de sua casa, os últimos retoques à Mensagem que deveria ler na abertura do Congresso no dia 10, o recém-reeleito presidente do Equador, Gabriel Garcia Moreno, dirige-se ao Palácio Presidencial. Antes de entrar, Garcia Moreno quis adorar o Santíssimo Sacremamento que estava exposto na Catedral. Em plena calçada, o facão assassino do traidor Rayo atingia a cabeça do mártir cristão, pois foi assassinado por ódio à Fé.
Previsões: Infalibilidade papal e Imaculada Conceição
"A infalibilidade Papal será declarada Dogma de Fé pelo mesmo Papa escolhido para proclamar Dogma o Mistério de minha Imaculada Conceição. Ele será perseguido e encarcerado no Vaticano pela injusta usurpação dos Estados Pontifícios, pela maldade, inveja e avareza de um monarca terreno".
A vitória da Santa Igreja: Embalada nos braços de um varão
"E alegre e triunfante, qual terna menina, ressurgirá a Igreja e adormecerá brandamente, embalada em mãos de hábil coração maternal do meu filho eleito muito querido daqueles tempos, ao qual, se dócil prestar ouvido às inspirações da graça - sendo uma delas a leitura das grandes misericórdias que meu Filho Santíssimo e Eu temos usado contigo - enchê-lo-emos de graças e dons muito particulares. Fá-lo-emos grande na terra e muito maior no Céu, onde lhe temos reservado um assento muito precioso, porque, sem temor dos homens, combateu, pela verdade e defendeu impertérrito os direitos de sua Igreja, pelo que bem o poderão chamar "martir".
Versos de autoria de Madre Mariana de Jesus Torre


Mira que te mira Dios
Mira que te esta mirando
Mira que deves morir
Mira que no sabes quando".
Note que Deus te olha
Note que Ele está te olhando
Note que deves morrer
Note que não sabes quando



_____________________
Fontes de referência
(1) Vida Admirable de la Revda. Madre Mariana de Jesue Torres, espanola y una de las Fundadoras del Monsterio Real de la Limpia concepción de la Ciudad de San Francisco de Quito - Fray Manuel Souza Pereira, O.F.M, Quito, 1790.
(2) Madera para Esculpir la Imagen de una Santa, Mons. Dr. Luis E. Cadena Y Almeida, The Foudation for a Christian Civilization, Inc. Bedford, NY, 1987.

segunda-feira, 10 de março de 2014

O Poema de Anchieta sobre a Virgem Maria Mãe de Deus”

(…)
Ó Virgem, humilde, singela e prudentíssima
por que o temor da dúvida assim te apregoa?
Justamente porque és humilde: e humilde
tudo temes de tua ingenuidade:
por demais ingênuo, o coração da jovem
deixa-se enredar às vezes, em diversos ardis
Tudo temes em tua prudência:
Tu, ponderando tudo à sua luz,
temes que alguma aragem de pecado
Te bafeje a alma,
e que, prestando-lhe atenção, como Eva à serpente,
venhas a cair em suas malhas.
Porém nenhum laço há aqui: o céu não engana:
não há na cidade de Deus lugar para a mentira.
Não há, aqui, monstro algum
que te engane em música falaz,
que te cegue os olhos d´alma,
como à primeira mulher.
Já o Senhor pôs em ti o seu olhar:
do alto da esfera celeste, sua pupila
descansa nas pequenezes desta Terra.
Quanto mais te crê indigna,
tanto mais digna te ergues para o Céu,
e tua fronte brilha, quanto mais se esconde.
A simplicidade humilde e a humildade simples
do teu pensar
enamora o Espírito de Deus.
Por que te admiras de te fazerem
Rainha no Céu,
Se estás sempre a escolher, na Terra,
o último lugar?
De admirar seria
Se tivesses o peito entumecido de soberba
e se, apesar disso, o Senhor te contemplasse.
Abre, portanto, o coração confiante
à mensagem celeste:
quanto é de ti mais digna, tanto menos deve temê-la.
— “O Poema de Anchieta sobre a Virgem Maria Mãe de Deus” (“De Beata Virgine Matre Dei Maria”) / José de Anchieta, 1534-1597; Tradução portuguesa em ritmos de Armando Cardoso; 5ª Edição, Editora Paulinas, São Paulo, 1996.

Novena a São José


Novena a São José
(de 10 a 18 de março ou em qualquer outro tempo)




— 1º dia —
S. José, Pai Nutrício de Jesus
Amabilíssimo São José, que tivestes a honra de alimentar, educar e abraçar o Messias, a Quem tantos profetas e reis desejaram ver e não viram: obtende-me, com o perdão das minhas culpas, a graça da oração humilde e confiante que tudo alcança de Deus. Acolhei com bondade paternal os pedidos que vos faço nesta Novena ..... e apresentai-os a Jesus que se dignou de obedecer-vos na terra. Amém.
Rogai por nós, São José, Pai Nutrício de Jesus.
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo!
PARA TODOS OS DIAS:
OREMOS! Ó Deus que por uma inefável Providência Vos dignastes escolher o bem-aventurado São José para Esposo de vossa Mãe Santíssima: concedei-nos que aquele mesmo que na terra veneramos como Protetor, mereçamos tê-lo no céu por nosso Intercessor. Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos. Amém.

— 2º dia —
S. José, Esposo da Mãe de Deus
São José, castíssimo Esposo Mãe de Deus e Guarda fiel de sua virgindade: obtende-me por Maria a pureza do corpo e da alma e a vitória em todas as tentações e dificuldades. Recomendo–vos também os esposos cristãos para que unidos com sincero amor e fortalecidos pela graça se amparem mutuamente nos sofrimentos e tribulações da vida. Amem.
Rogai por nós São José, Esposo da Mãe de Deus:
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo!
OREMOS! ...

— 3º dia —
S. José, Chefe da Sagrada Família
Glorioso São José, que gozastes durante tantos anos da presença e filial afeição de Jesus, a Quem tivestes a dita de alimentar e vestir, juntamente com vossa Santíssima Esposa: eu vos suplico me alcanceis o dom inefável de sempre viver em união com Deus pela graça santificante. Obtende também para os pais cristãos a graça do fiel cumprimento de seus graves deveres de educadores e, aos filhos, o respeito e a obediência segundo o exemplo do Menino Jesus. Amém.
Rogai por nós, São José Chefe da Sagrada Família
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo!
OREMOS! ...

—  4º dia —
S. José, Exemplo de Fidelidade
Fidelíssimo São José, que nos destes tão belo exemplo no fiel cumprimento de vossos deveres de Protetor da Santíssima Virgem e de Pai Nutrício do Redentor: rogo-vos me obtenhais a graça de imitar o vosso exemplo na fidelidade a todos os deveres do meu estado de vida. Ajudai-me a ser fiel nas coisas pequenas para o ser também nas grandes Alcançai essa mesma graça para todos que me são caros nesta vida, a fim de chegarmos a gozar no céu o prêmio prometido aos que forem fiéis até a morte. Amém.
Rogai por nós, São José, Exemplo de Fidelidade;
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo!
OREMOS! ...

— 5º dia —
S. José, Espelho de Paciência
Bondoso São José que suportastes com heróica paciência as provações e adversidades na viagem a Belém, na fuga para o Egito e durante a vida oculta em Nazaré e me destes o exemplo de admirável conformidade com a vontade de Deus: obtende-me a virtude da paciência nas dificuldades de cada dia. Alcançai também invencível paciência a todos que suportam pesadas cruzes, a fim de que se unam sempre mais a Jesus divino modelo de mansidão e paciência Amém.
Rogai por nós São José, Espelho de Paciência:
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo!
OREMOS!...

— 6º dia —
S. José, Modelo dos Operários
Humilde São José, que, vivendo em pobreza. dignificastes a vossa profissão pelo trabalho constante e vos sentistes feliz em servir a Jesus e Maria com o fruto de vossos suores: alcançai-me amor ao trabalho, que me foi imposto como dever de estado, procurando cumprir nisto sempre a vontade de Deus. Protegei os lares dos Operários do Brasil contra as influências nefastas dos inimigos de Cristo e da Santa Igreja. Obtende-lhes a graça de santificarem o seu trabalho pela reta intenção em tudo conformados com os desígnios da Divina Providência. Amém.
Rogai por nós, São José, Modelo dos Operários;
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo!
OREMOS!...

— 7º dia —
S. José, Protetor da Santa Igreja
Glorioso Patriarca São José, Protetor e Padroeiro da Igreja Universal : obtende-me a graça de amar a Igreja como Mãe e de a honrar como verdadeiro discípulo de Cristo. Rogo-vos que veleis sobre o Seu Corpo Místico, como outrora velastes sobre Jesus e Maria. Protegei o Santo Padre e os Bispos, os Sacerdotes e os Religiosos. Alcançai-lhes santidade de vida e eficácia no apostolado. Guardai a inocência da infância a castidade da juventude a honestidade do lar, o ordem e paz da Sociedade. Amém.
Rogai por nós, São José, Protetor da Santa Igreja;
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo!
OREMOS!...

—  8º dia —
S. José, Esperança dos Enfermos
Compassivo São José, esperança dos doentes e necessitados: valei me em todas as enfermidades e tribulações alcançando-me plena conformidade com os admiráveis desígnios de Deus. Obtende-me também para mim e para todos, pelos quais rezo nesta Novena, a cura das enfermidades espirituais que são as paixões desordenadas, fraquezas, faltas e pecados e protegei-nos contra as tentações do inimigo da nossa salvação amém.
Rogai por nós, São José, Esperança dos Enfermos;
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo!
OREMOS! ...

— 9º dia —
S. José, Padroeiro dos Moribundos
Ditoso São José que, morrendo nos braços de Jesus e Maria, partistes deste mundo ornado de  Virtudes e enriquecido de méritos: Assisti-me na hora suprema e decisiva da minha vida contra os ataques do poder infernal. Obtende-me a graça de morrer confortado com os santos Sacramentos, necessários para a minha salvação. Tendo compaixão de todos os agonizantes. alcançando-lhes a graça da salvação por intermédio de Maria, vossa Santíssima Esposa. Amém.
Rogai por nós, São José, Padroeiro dos Moribundos
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo!
OREMOS!...
 

PODE ACRESCENTAR-SE TODOS OS DIAS:
ORAÇÃO: Glorioso São José, que fostes exaltado pelo Eterno Pai, obedecido pelo Verbo Encarnado favorecido pelo Espírito Santo e amado pela Virgem Maria: Louvo e bendigo a Santíssima Trindade pelos privilégios e méritos com que vos enriqueceu. Sois poderosíssimo e jamais se ouviu dizer que alguém tenha recorrido a vós e fosse por vós desamparado. Sois o Consolador dos aflitos, o amparo dos míseros e o advogado dos pecadores. Acolhei, pois, com bondade paternal a quem vos invoca com filial confiança e alcançai-me as graças que vos peço nesta Novena . . .   Eu vos escolho por meu especial Protetor. Sêde, depois de Jesus e Maria, minha consolação nesta terra, meu refugio nas desgraças meu guia nas incertezas, meu conforto nas tribulações meu pai solícito em todas as necessidades. Obtende-me finalmente como coroa dos vossos favores, uma boa e santa morte graça de Nosso Senhor Assim seja.

domingo, 9 de março de 2014

Contra o tráfico humano

Ó Deus, sempre ouvis o clamor do vosso povo e vos compadeceis dos oprimidos e escravizados. Fazei que experimentem a libertação da cruz e a ressurreição de Jesus. Nós vos pedimos pelos que sofrem o flagelo do tráfico humano. Convertei-nos pela força do vosso Espírito e tornai-nos sensíveis ás dores destes nossos irmãos. Comprometidos na superação deste mal, vivamos como vossos filhos e filhas, na liberdade e na paz. Por Cristo, nosso Senhor Amém!

fonte: O DOMINGO

quarta-feira, 5 de março de 2014

Pequeno Catecismo do Dízimo







DÍZIMO MILAGRE da PARTILHA

1. Que é o DÍZIMO ?
DÍZIMO é um modo concreto de agradecer a Deus a vida, tudo que recebemos como presente, sem ter direito a nada. É devolver a Deus a própria vida pela doação generosa e livre, de algo que represente o que somos e o que temos.  
DÍZIMO é partilha e devolução; tudo que temos e recebemos pertence a Deus.
2. O que diz a BÍBLIA sobre o DÍZIMO ?
A Bíblia nos convida a ser dizimistas. Podemos conferir lendo alguns textos:
No Antigo Testamento:
Gn 14,20; 28,22 // Lv 27,2 // Nm 18,24 // Dt 12,17; 14,22; 26,12 // 2Cr 31,5 //Ne 10,37-38 //Am 4,4 // Ml 3,8-11 
No Novo Testamento:
Mt 5,42; 10,8-10; 12,44; 22,21; 23,23 // Lc 3,11; 10,1-9; 11,42; 18,9-14; 19, 1-10; 21,1-9 
Atos 2.42-47 // 1Cor 9,6-7; 16,2 // 2Cor 8,1-5 // tg 2,14 // 1Ts 21,26 // 2Ts 3,6-12 
3. Por que para algumas pessoas é tão difícil oferecer o Dízimo ?
Os católicos, de modo geral, não foram motivados para a prática do Dízimo. Além disso, existe a tentação do egoísmo, de pensar em primeiro lugar em si mesmo. O Dízimo só acontece quando a pessoa está aberta a ação do Espírito Santo, aceita o apelo da generosidade, é capaz de dividir o que possui.
Há os que não dão o Dízimo porque não conhecem o seu valor e a sua aplicação e, pode acontecer, que nunca lhes foi explicado adequadamente. É o que pretende este pequeno Catecismo e o que deve ser feito por encontros e campanhas de motivação do Dízimo.
4. Para que existe o Dízimo, qual sua grande finalidade ?
Há três grandes finalidades,  três dimensões para o Dízimo.
* Dimensão religiosa: cuidar da igreja e de todas suas despesas, a manutenção dos agentes, especialmente dos padres e para as necessidades de todos os trabalhos pastorais;
** Dimensão social ou da caridade: dar condições para que aconteça o trabalho social, a manutenção das Pastorais Sociais, o cuidado dos excluídos e de todos os pobres. O ideal a ser atingido é o dos primeiros cristãos: “Não havia necessitados entre eles”
*** Dimensão missionária: dar condições para que o Evangelho chegue a todos os lugares, dentro e fora das comunidades. Há necessidades de formar novos grupos, novas comunidades de base e ajudar as que estão nascendo. Precisamos pensar em como ajudar as comunidades que vivem em lugares de muita pobreza, como em certas regiões do Brasil.
5. Quanto devo devolver com meu Dízimo ? 
Dar o Dízimo é participar de modo pleno, com as limitações de cada um, na construção do Reino de Deus. Não é questão de um número matemático. Quem recebe muito, dê bastante; quem recebe pouco, dê tudo que for capaz. O importante é dar com convicção, com generosidade, com o coração, cheio de alegria. A oferta deve manifestar o quanto estamos participando, o quanto somos co-responsáveis pela Igreja, pela nossa comunidade. Ninguém pode ficar devendo nada e nem se omitir dessa responsabilidade.
6. O Dízimo deve ser mensal?
A contribuição mensal é importante para que o Dízimo funcione de verdade. É uma questão de educar-se para essa responsabilidade. Normalmente o cristão católico recebe o seu salário, todos os meses. O Dízimo deve fazer parte do orçamento mensal, dos compromissos normais que todos têm todos os meses. Nunca podemos esquecer: Deus não precisa de nossa esmola; Ele só aceita toda nossa vida.
7. Quem já participa, também deve ser dizimista ?
Alguém pode dizer: “Sou catequista, faço parte do Conselho da Comunidade, sou de tal pastoral ou movimento, participo nesta ou naquela associação, cuido da igreja... todo esse meu trabalho não pode ser considerado Dízimo ?” 
Sim, todo esse trabalho é verdadeiramente Dízimo do tempo. Feliz quem está comprometido com sua comunidade! Mas, essa doação não dispensa ninguém da contribuição bíblica do Dízimo. Todos somos chamados a dar nossa vida, mesmo que seja a oferta da viúva do Evangelho. Além disso é preciso dar testemunho aos outros membros da Comunidade. Ninguém pode se omitir e nem se considerar dispensado da contribuição do Dízimo.
8. O Dízimo substitui as coletas nas Missas e outras ?
Todas as ofertas têm grande valor e sempre existirão na Igreja. Elas são dadas espontaneamente, como sinal de gratidão, de participação naquela celebração ou festa. 
Mas, quem dá essa contribuir]cão não assume nenhum compromisso especial com a Comunidade; sempre que puder vai continuar dando. Ao contrário, quem dá o Dízimo assume compromisso moral de participar na vida da comunidade, da Igreja.
9. Quando e onde deve ser dada a oferta do Dízimo ?
O ideal é que o Dízimo seja oferecido, em um dia especial que a Comunidade pode programar, como Dia do Dízimo. Sempre que possível, o próprio dizimista deve levar sua oferta na Procissão das Oferendas. Para isso é necessária que haja um envelope especial com a devida identificação do dizimista, colocada dentro do envelope. Isto é importante para que o dizimista renove todo mês, diante de Deus e da Comunidade. seu compromisso de participação. Se o dizimista participa na vida da Comunidade não há razão de alguém ir a sua casa “para receber o Dízimo”. 
Visitas poderão ser feitas as casas para divulgar o Dízimo, para orientar as famílias para que participem na Comunidade e se tornem dizimistas.
10. Quem deve ser dizimista 
Todos os participantes ativos das Comunidades, a começar dos membros dos Conselhos, Coordenadores de Pastorais, Movimentos e Associações.
** Todos os fiéis que participam normalmente nas celebrações, nos fins de semana.
*** As pessoas que participam na preparação dos diversos sacramentos devem ser informadas sobre o Dízimo e serem convidadas a aderir.
**** As CRIANÇAS e JOVENS que se preparam para a primeira Eucaristia e a Crisma. É impertante que sejam,  desde pequenos, desde jovens,  motivados para assumirem seu lugar na comunidade pela participação do Dízimo.