sexta-feira, 25 de maio de 2018

Fonte da confiança



A confiança é a mãe dos grandes atos.
Ela é a mola misteriosa que impulsiona
Toda a força que existe em nós.
A confiança é uma atitude de entrega.
Há momentos que precisamos confiar,
Mesmo que o nosso interior alimente dúvidas.
Elas são traidoras e nos fazem perder o bem que sempre poderíamos ganhar.
Precisamos destruir as dúvidas e readquirir a confiança.
Confie no Sagrado Coração de Jesus!
Tudo na vida consegue-se alcançar com luta e perseverança.
Para cada problema que surgir certamente aparecerá uma solução.
Confie em sua capacidade de escolher e acredite com fé e esperança.
Assim, você conseguirá enfrentar os obstáculos
Do caminho e alcançar com sucesso o seu objetivo.

(Padre Antônio Francisco Bohn)

domingo, 13 de maio de 2018

Batalha do Marne


A imagem pode conter: uma ou mais pessoas

Gostaria de lhe falar de um rumor que percorreu a frente e as trincheiras em 1915 e 1916, sobre a batalha do marne. Este rumor estava a referir-SE ÀS APARIÇÕES DA SANTA VIRGEM NO DIA 8 DE SETEMBRO, que teria desempenhado um papel decisivo nesta reviravolta da situação dificilmente explicável, humana falando, devido ao estado de degradação moral e física dos combatentes.

Posso falar disso com conhecimento de causa, tendo participado na reforma da Bélgica até aos arredores de Paris. Os relatórios dos jornais publicados no final de agosto e início de setembro passado faziam alusão ao "milagre do marne", limitando-se a exaltar o sobressalto dos combatentes de 1914 que, em 8 DE SETEMBRO, tinha reprimido o invasor. .

" o documento que junto a esta carta e que caiu completamente no esquecimento, ilumina estes acontecimentos de um dia novo e dá a explicação deste mistério da reviravolta completa da situação no dia 8 de setembro de 1914.
" é um corte do jornal da época, o correio da manga, número de 8 de Janeiro de 1917, que relata o que teriam dito dos alemães feitos prisioneiros após as lutas de 5 a 8 de setembro de 1914. "

Aqui está um testemunho preciso, da Sra. Tripet-Nizery, viúva do capitão tripet, morto em combate em 4 de setembro de 1916: ela declarou que sendo enfermeira na ambulância da Escola Politécnica, de finais de 1914 a junho de 1916 , recebeu um ferido que tinha participado na batalha do marne do lado francês; disse-lhe: "Quando tivemos a ordem de voltar para a frente, uma mulher de branco, diante da trincheira, treinava-nos".

O correio, diário de Saint-Lô, publicou, em 8 de Janeiro de 1917, uma carta datada de 3 de Janeiro de 1915.

" um padre alemão, ferido e feito prisioneiro na batalha do marne, morreu numa ambulância francesa onde se encontravam freiras. Ele disse-lhes: " como soldado, devo manter o silêncio; como padre, creio ter de dizer o que vi. Durante a batalha, ficámos surpreendidos por sermos reprimidos, pois éramos legião comparados com os franceses, e queríamos chegar a Paris.
" mas vimos a virgem virgem toda vestida de branco, com um cinto azul, inclinada para Paris... Ela virou-nos as costas e, com a mão direita, parecia afastar-nos. "

Dois oficiais alemães, prisioneiros e feridos, testificaram como o padre morto, a 3 de Janeiro de 1915., o que diz um deles? Isto:

" se eu estivesse na frente, eu seria fuzilado, porque defesa foi feita para contar, sob pena de morte o que eu vou dizer: você ficou espantado com o nosso recuo tão sofrido quando chegamos às portas de Paris. Não pudemos ir mais longe, uma virgem estava diante de nós, braços estendidos, empurrando-nos sempre que tínhamos ordem para avançar. Durante vários dias, não sabíamos se era uma das suas santas nacionais, genevieve ou Joana D ' Arc. Depois disso, entendemos que era a Virgem Santíssima que nos pregava no local.

A imagem pode conter: céu, atividades ao ar livre e natureza

NO DIA 8 DE SETEMBRO, ela afastou-nos com tanta força, que todos nós, como um só homem, fugimos. O que estou a dizer-vos, provavelmente vão ouvir mais tarde, porque talvez tenhamos sido 100.000 homens que a viram. "

Padres, freiras... será que vamos acreditar em boatos de preconceituosos quando escrevemos a história? Este é outro testemunho, que é de dois oficiais alemães feridos. Uma voluntária enfermeira acompanha-os na ambulância da cruz vermelha francesa e até à sala do hospital onde eles iam ser tratados. Lá dentro, eles vêem uma estátua da virgem de Lourdes, e um deles escreve: " Die Frau von der marne Oh, meu Deus! A Virgem do marne! ). O seu companheiro deu-lhe a enfermeira para que ele se calasse, porque ela os ouvia. Tentou, mas em vão, fazê-los falar enquanto lhes fazia os seus cuidados.

Esta história cruza-se com outro, escrito por uma freira que cura os feridos em issy-Les-Paulo.

O que é que ela está a trazer? Isto:

" foi depois da batalha do marne. Entre os feridos tratados na ambulância de issy, encontrava-se um alemão muito gravemente ferido e considerado perdido. Graças aos cuidados que lhe foram prestados, ele viveu mais de um mês. Ele era católico e testemunhou grandes sentimentos de fé. Os Enfermeiros eram todos padres. Recebeu a ajuda da religião e não sabia como testemunhar a sua gratidão. Ele dizia muitas vezes: "Gostaria de fazer algo para lhe agradecer". finalmente, no dia em que recebeu a extrema-Unção, ele disse aos enfermeiros:

" você me tratou com muita caridade, eu quero fazer algo por você, contando o que não está em nossa vantagem mas que o fará feliz. Vou pagar um pouco a minha dívida. Se eu estivesse na frente, seria fuzilado, porque a defesa foi feita para falar sobre isso. " Ele falou da visita da virgem que épouvanta os soldados alemães e provocou a sua fuga.

Numa outra ambulância, foi registado um testemunho semelhante: um soldado alemão estava a morrer. Ele foi atingido pela dedicação perfeita da freira francesa que o estava a tratar. Então, ele diz-lhe:

" Irmã, acabou-se, em breve estarei morto. Quero agradecer-lhe por me ter tratado tão bem, que eu sou um inimigo. Então vou dizer-lhe uma coisa que lhe vai dar muito prazer. Neste momento, estamos a avançar muito em França, mas, apesar de tudo, no fim, é o seu país que vai ganhar.

A imagem pode conter: céu e árvore

Como é que sabe?

Na batalha do marne, vimos a virgem virgem nos afastar. Ela está a proteger-te contra nós. Os oficiais defenderam-nos, sob pena de morte, para falar sobre esta visão. Mas agora estou acabado. Quando eu morrer, você pode contar a coisa, desde que não me chame " Ele deve ter medo de represálias contra a sua família.

" durante vários dias, toda a nossa divisão viu diante dela, no céu, uma senhora branca com um cinto azul flutuante e um véu branco. Ela virou-nos as costas e assustava-nos muito. Em 5 de setembro de 1914, recebemos a ordem de avançar e tentámos fazê-lo: mas a senhora pareceu tão deslumbrante e nos-nos com as suas duas mãos de forma tão assustadora que todos nós fugimos. "

Em Liège, logo após o armistício, um soldado confiou à sua anfitriã que se mal de anotar as suas palavras:

" Oh, meu Deus Desde o início da guerra, eu sabia que no final seríamos derrotados. Posso dizer-lhe isso porque sei que não o vai dar aos nossos oficiais. " a antiga proibição era sempre assim.
Ele disse: " na primeira batalha do marne, tínhamos diante de nós, no céu, uma senhora branca que nos virava as costas e nos afastava das suas duas mãos. Apesar de nós, estávamos em pânico, não podíamos continuar a avançar. Pelo menos três das nossas divisões viram esta aparição. Deve ter sido a Virgem Santíssima.

A certa altura, ela nos-nos tanto que todos nós fugimos, oficiais como os outros. Mas, no dia seguinte, eles defenderam falar sobre isso sob pena de morte: se todo o exército soubesse, teria ficado muito triste. Para nós, não tínhamos o coração para lutar, já que Deus estava contra nós. Era certo que íamos para a morte por nada, mas tínhamos de andar na mesma. Não podíamos fazer de outra forma. A guerra é difícil. "

Mas em França, o que dizia? O silêncio foi a única resposta oficial? É certo que a igreja de França foi atenta, pelo menos no início. Os Bispos, tais como o bispo caça e o bispo tissier, entre outros, anteciparam no púlpito o "milagre do marne", mas com reserva, uma vez que a proibição de falar do de feito aos soldados alemães, sob pena do pior, impedia toda a gente. Inquérito que teria permitido estabelecer um caso específico. Os seus ouvintes, no entanto, eram entusiastas e garantiram a exactidão-Titude Dos Factos. Depois, uma vez que o horror passado, sem dúvida, se pensou em outra coisa... quanto ao estado francês, ele se naturalmente, do mesmo modo o exército francês, o que espanta, e os historiadores que estudaram esta Campanha, o que surpreende.

O que fazer hoje? Há que suscitar os últimos testemunhos ainda possíveis, fazer pesquisas nos arquivos, estabelecer rapidamente o dossier e dizer aos franceses e aos alemães o que realmente aconteceu nesses dias. Só para agradecer a que se dedicou assim a nosso favor: apenas o suficiente para impedir o colapso da França sem que seja alcançada a liberdade dos homens.


https://www.facebook.com/groups/filhosespirituaisdepepio/pending/?notif_id=1526250434104654&notif_t=group_post_approval_request&ref=notif

Oração a Nossa Senhora para conhecer a própria Vocação


BLESSED MARY
Oração a Nossa Senhora para conhecer a própria Vocação

Sua melhor companhia neste mês das Vocações!

Eis-me a vossos pés, ó piedosa Virgem
para implorar de Vós a importantíssima graça
da escolha da minha vocação.

Outra coisa não quero
senão cumprir perfeitamente
a vontade de vosso Divino Filho,
em todo o tempo da minha vida.

Desejo ardentemente
escolher a vocação
que me há de deixar mais satisfeito
no momento da minha morte.

Ó Mãe do Bom Conselho,
fazei que soe aos meus ouvidos
uma voz que afaste toda a dúvida
da minha mente.

A Vós, que sois a Mãe do meu Salvador,
também cabe ser a Mãe da minha salvação.
Porque se Vós, Ó Maria,
não me comunicais um raio do Sol divino,
que luz me há de esclarecer?

Se Vós não me instruís,
ó Mãe da Sabedoria Encarnada,
quem poderá ensinar-me?

Ouvi pois, ó Maria,
as minhas humildes súplicas.
Perplexo e vacilante, dirigi-me Vós,
guiai-me pelo reto caminho
que conduz à vida eterna,
pois que sois Vós a Mãe do belo amor,
do temor, do conhecimento e da santa esperança,
cujas flores produzem frutos de honestidade e honra.
Amém.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai.



http://www.aleteia.org/pt/religiao/conteudo-agregado/oracao-a-nossa-senhora-para-conhecer-a-propria-vocacao-5782290265276416

A força da recitação do Santo Terço




A força da recitação do Santo Terço

Padre Stefano Maria Manelli



A Coroa do Agradecimento

O fundador dos Franciscanos da Imaculada explica a força da recitação do Terço

ROMA, sexta-feira, 11 de maio de 2012 (ZENIT.org) – “Oh, Santa coroa do Rosario!” Esta invocação à coroa do Rosario nasce espontânea quando vemos a coroa nas mãos da Rainha do Rosário em Pompéia, nas mãos da Imaculada em Lourdes, nas mãos do Imaculado Coração em Fátima.

O quanto deve ser importante esta coroa do Rosario se a a mesma Nossa Senhora a tem nas suas mãos de Rainha do céu e da terra, se dela mesma, em pessoa, nos foi presenteada em Lourdes, e nos foi recomendado com insistência materna em Fátima!

A partir de São Domingos, a coroa do Rosario esteve nas mãos de exércitos de Santos e de Papas, de místicos e de missionários, de estadistas e de artistas, de cientistas e de heróis, de homens e de mulheres, de pessoas idosas e de crianças, em todo momento e em todas as partes da terra.

Lembremos, por exemplo, São Francisco de Sales, Santa Margarida Maria Alacoque, Santo Afonso de Ligório, Santa Bernadette Soubirous, São Pio X, Santa Maria Goretti, São Pio de Pietralcina, a beata Teresa de Calcutá … Podemos também lembrar os cientistas Galileo Galilei, Ampere, Pasteur, Marconi; os músicos Vivaldi, Gluck; os pintores Miquelângelo e beato Angelico; os pensadores e escritores, Rosmini e Manzoni …

“Oh, Santa Coroa do Rosário”

A coroa do Rosário é “santa” porque produz coisas santas, recebe graças, atrai muitas bênçãos, não somente sobre os que rezam a coroa, mas também sobre a casa, sobre a família e sobre o trabalho de quem recita. A coroa do terço é “santa” porque abre as janelas de vinte mistérios da vida de Jesus e de Maria, com o exercício da contemplação e do amor que conduzem a alma para as alturas da santidade.

O Rosário também foi chamado e definido de diversos modos: coroa de graças, rosa de graças, tesouro de graças, corrente de graças, fonte de graças…

São Pio de Pietrelcina, em particular, gostava de dizer que o Rosário é também a arma para toda batalha espiritual e temporal, a arma de triunfo contra todo inimigo, a arma de todas as vitórias (como nos lembra Lepanto), de onde Nossa Senhora do Rosário também foi chamada de “Nossa Senhora das vitórias”, muito querida por Santa Teresinha.

O beato Bartolo Longo, finalmente, deseja que todos morram com a coroa do terço nas mãos, dando-lhe o “último beijo da vida que se apaga”, para apresentar-nos ao juízo de Deus com a alma coberta pela “Santa Coroa do Rosario”.

Para maior aprofundamento:

Padre Stefano Maria Manelli, “O Rosario benedetto di Maria!” (Casa Mariana Editrice)



http://www.zenit.org/article-30293?l=portuguese

Dicas para rezar (e viver) o Santo Terço mais intensamente




Dicas para rezar (e viver) o Santo Terço mais intensamente

Acredite: você nunca mais vai rezar o Terço de maneira monótona depois de ler isso

Como católico, confesso que Maria é o meu ponto fraco. Sempre que preciso pedir reforços para alcançar graças do céu, Ela é sem dúvida minha mediadora favorita.

Mesmo sendo capaz de conceber perfeitamente em minha mente que Maria é um ser humano como seu, às vezes no meu coração sinto como se ela estivesse em uma categoria muitíssimo superior à minha, e é difícil imaginar como Ela poderia entender o que acontece no meu dia a dia.

O terço já me confortou enormemente em incontáveis momentos de intenso sofrimento, mas também já me deu a sensação de estar, às vezes, muito distante de Maria.

Graças a Deus, como sou um hipster católico em busca constante das esquisitices mais alucinantes da nossa fé, acabei encontrando uma oração meditativa alternativa que significou para mim um giro de 180 graus: o Terço Servita ou Terço das Sete Dores – era justamente aquilo de que eu precisava!

Este terço tem sua origem na Ordem dos Servitas e se centra nas Sete Dores da Santíssima Virgem Maria. A viagem na qual embarcamos à medida em que vamos passando as contas do terço pelos dedos tem uma capacidade incrível de nos aproximar profundamente da Santa Mãe de Deus, para que Ela nos acompanhe durante a vida diária.

1ª dor: Profecia de Simeão

Poucos dias após o nascimento do meu primeiro filho, minha esposa passou uma noite extremamente difícil, que acabou em uma visita urgente ao nosso médico. Uma vez lá, nos deram a notícia de que nosso filho seria internado no hospital para passar a noite em observação. Escutar estas palavras foi algo assustador.

A Bíblia não documenta nenhuma das batalhas de Jesus com as doenças da infância, mas sim registra como Simeão conta a Maria que seu bebê seria causa de queda e levantamento para muitos em Israel, e que sua própria alma, a de Maria, seria atravessada por uma espada de dor por causa dele. Maria com certeza conhece os temores dos pais e mães.

2ª dor: Fuga ao Egito

Você já viveu algum desses momentos nos quais está sozinho no frio, seja literal ou emocionalmente? Sabe esses momentos em que você sente que não é bem-vindo, inclusive entre seus amigos e familiares mais próximos, simplesmente porque seus passos o levam numa direção diferente? Maria passou pela mesma coisa: isolada e sem apoios, a não ser o consolo de Deus, do seu marido e do seu filho.

3ª dor: Jesus perdido no Templo

Pense naquele frio na barriga, naquele medo vertiginoso que você sente quando perde seu filho de vista em um lugar público, mesmo que seja somente por alguns segundos, seguido desse vazio e dessa culpa que substituem inevitavelmente o pânico uma vez que você verifica onde seu filho está. Isso certamente foi apenas um instante, coisa de nada, mas o remorso dura muito: “Como eu pude ser tão descuidado(a)?”. Maria passou pela mesma situação, durante longos 3 dias, e num contexto muito mais grave.

4ª dor: Encontro de Jesus e Maria no caminho do calvário

Como profissional de saúde mental, já ofereci meu apoio a muitos pais na hora de enfrentar certas situações dos seus filhos: perceber que os filhos ainda não chegaram ao fundo do poço e não estão preparados para receber a ajuda necessária; ver que chegou a hora de deixá-los partir; permitir que tenham a liberdade de fracassar por completo, com a esperança de poder voltar a levantar-se renovados.

A confrontação nestes casos é muito difícil, porque é assustador, desgarrador sentir-se impotente frente aos problemas de um filho. Não há nada pior que isso. Maria sabe o que significa ser uma testemunha impotente da dor nos olhos do seu Filho. Assim, não existe companhia melhor que a sua quando chegam a nós momentos terríveis desse tipo.

5ª dor: Crucificação

Você já teve de suportar alguma vez a insuportável e indescritível dor de perder um filho ou uma filha, por morte, distanciamento ou perda? Não há nada que nos console humanamente. Mas Maria está aí, chorando ao seu lado.

6ª dor: Jesus é retirado da cruz

Esse dia chega para todos: o dia do sofrimento mais obscuro, quando você precisa enfrentar algo e carregá-lo sobre os ombros; algo tão pesado que você acha que não vai conseguir seguir em frente; um dia no qual não há nada além de uma dor lacerante e um futuro que parece vazio e sem sentido. Maria, após receber o frágil corpo ensanguentado do seu Filho, entende muito bem o que é isso.

7ª dor: Sepultura de Jesus

Todos nós conhecemos o final: “Vocês terão sofrimento no mundo, mas sejam corajosos: eu venci o mundo!”. Jesus ganha, é verdade. Mas mesmo assim acabamos nos esquecendo disso; mortes, dificuldades financeiras, abortos espontâneos, conflitos no casamento, problemas no trabalho… É difícil encontrar esperança em meio a tão árduos momentos, e a única vontade que temos é de nos render.

Maria certamente se sentiu assim também enquanto carregava o corpo do seu Filho. Não sabemos se nesse momento Ela sabia que a Páscoa da Ressurreição estava a ponto de chegar; mas o que Ela certamente sabia melhor que ninguém era o quão difícil pode ser para nossos corações enxergar algo além da Sexta-Feira Santa.

Conclusão

Certamente, Maria pode parecer estar tão acima de nós, que fica fora do nosso alcance. Mas se dedicarmos um momento a refletir sobre tudo o que Ela padeceu durante a vida, começaremos a ver com clareza que Nossa Senhora realmente entende tudo o que estamos vivendo e sofrendo.

O Terço Servita me ajudou a ver isso com clareza, e a confiar em que, se eu persistir, Ela virá com carinho, segurará minha mão e me guiará de volta para casa.

(Tommy Tighe é um hipster católico, esposo e pai de quatro filhos)

Fonte: Aleteia

ACONTECEU NO SANTUÁRIO DE MARIA MONTE-VIRGEM, EM 1611

Aconteceu no Santuário de Maria Monte-Virgem, em 1611
“Convém narrar aqui o fato citado pelo Padre Spinelli nos Milagres de Nossa Senhora. No ano de 1611, no celebre santuário de Maria em Monte-Virgem, aconteceu que, na vigília de Pentecostes, tendo à multidão que ai concorrera profanado a festa com bailes, crápulas e imodéstia, se ateou de repente, um incêndio na casa de tabuas em que estavam os romeiros, e em menos de hora e meia reduziu-a a cinzas, morrendo mais de 400 pessoas. Só sobreviveram cinco que depuseram, com juramento, terem visto a Mãe de Deus com duas tochas acesas pondo fogo no edifício. Peço, pois, com instância aos devotos de Maria, que se abstenham e impeçam também os outros de ir a semelhantes santuários de Nossa Senhora em dias de tais folguedos profanos. Pois, nessas ocasiões, há muito mais lucro para o inferno, do que honra para a Mãe de Deus. Romeiros tementes a Deus vão visitar os santuários, quando não há tanta aglomeração de povo.”
Glórias de Maria – Santo Afonso de Ligório – Doutor da Igreja e Fundador da Congregação do Santíssimo Redentor – 1696-1787
Editora Santuário – Aparecida – SP – 2001 – pg. 453

https://capelasantoagostinho.com/tag/milagres/

A 13 DE MAIO, NA COVA DA IRIA

AVE DE FÁTIMA
Harm: A. Cartageno
(versão do Santuário de Fátima)
  
A treze de maio
Na cova da Iria
Apareceu brilhando
A Virgem Maria.

AVE, AVE, AVE MARIA
AVE, AVE, AVE MARIA

A Virgem Maria
Cercada de luz,
Nossa Mãe bendita
E Mãe de Jesus.

Foi aos Pastorinhos
Que a Virgem falou.
Desde então nas almas
Nova luz brilhou.
Com doces palavras
Mandou-nos rezar
A Virgem Maria
Para nos salvar.
Mas jamais esqueçam
Nossos corações
Que nos fez a Virgem
Determinações.
Falou contra o luxo
Contra o impudor
De imodestas modas
De uso pecador.
Disse que a pureza
Agrada a Jesus
Disse que a luxúria
Ao fogo conduz.
A treze de Outubro
Foi o seu adeus
E a Virgem Maria
Voltou para os céus.
À Pátria que é vossa,
Senhora dos céus,
Dai honra, alegria
E a graça de Deus.
À Virgem bendita
Cante seu louvor
Toda a nossa terra
Num hino de amor.
Todo o mundo a louve
Para se salvar,
Desde o vale ao monte,
Desde o monte ao mar.
Ah! Demos-lhe graças
Por nos dar seu bem,
À Virgem Maria,
Nossa querida Mãe!
E para pagarmos
Tal graça e favor,
Tenham nossas almas
Só bondade e amor.
Ave, Virgem Santa
‘Strela que nos guia!
Ave, Mãe da Igreja!
Oh! Virgem Maria!
Ao peito sem mancha
Num doce clarão,
Maria nos mostra
O seu Coração.
Do seu Coração
Nos vem o penhor
De a terra deserta
Florir em amor.
Consagre-se o mundo
E espere que, um dia,
O salve um milagre
Da Virgem Maria.
Sigamos, orando,
De terço na mão,
A santa Mensagem
De reparação.
Se é belo cobrirmos
A Virgem de flores,
Mais belo é rezarmos
Pelos pecadores.
Deus manda os seus Anjos
E em guarda nos traz.
O Anjo da Pátria
É o Anjo da Paz.
Olhemos o Papa
Que sofre e que chora.
Por ele imploremos
A Nossa Senhora.
A Igreja não morre
Mas tem de contar
Com almas ardentes
Que a saibam amar.
Quem vem de romagem,
Em Fátima sente
Que, acima de tudo,
Jesus é presente.
Jesus é presente
Em luz e perdão
E, todo por todos
Se faz comunhão.
Cantemos. Quem canta
A vida alumia.
Cantemos! Cantemos
À Virgem Maria!

https://capelasantoagostinho.com/2018/05/13/a-13-de-maio-na-cova-da-iria/